X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Estado tem inflação acima da média

Preços voltaram a subir no País e, no Estado, a alta foi de 0,6% no último mês, enquanto em todo o País o aumento foi de 0,59%


 

Imagem ilustrativa da imagem Estado tem inflação acima da média
Divulgação Leite e derivados tiveram aumento de preço devido a fatores climáticos |  Foto: Canva

Depois de três meses de preços em queda - num fenômeno conhecido como deflação -, os produtos em geral voltaram a ficar mais caros no País. 

A inflação oficial, medida pelo  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 0,59% no último mês.

Mas, no Espírito Santo, a situação foi ainda pior, com desvalorização do real maior que a média nacional: 0,6% no período.  

Conforme os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), alimentação e bebidas  foram os principais vilões da inflação, com alta de 0,72%.  Seguem na sequência saúde e cuidados pessoais (+1,16%) e transportes (+0,58%). 

O economista Felipe Storch disse explicou que  determinadas regiões têm  aumentos de preços acima da média nacional. “No Espírito Santo, fatores climáticos e logísticos podem influenciar o aumento”, afirmou. 

O especialista indicou que o gasto para transportar certos alimentos contribuem para determinar o valor final do produto.

Hélio Schneider, presidente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), concorda com o economista. “De fato, o clima é um aspecto que valida o preço”, disse ele, ao dar exemplos. 

“O setor de laticínios (leite e derivados, como manteiga e iogurte) já apresentava aumentos de preços, e com o frio, a produção pode cair, o que reflete em encarecimento do produto”, comentou. 

Considerando a explicação, é possível traçar uma linha lógica que justifique a inflação. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, o único que apresentou queda em outubro foi o setor de comunicação (-0,48%), que contribuiu com -0,03 p.p. 

Em setembro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou a redução na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) — percentual utilizado para calcular o valor final de um imposto — sobre os serviços de telecomunicação. O índice foi ajustado para 17% no Espírito Santo. 

Na simulação feita pelo advogado tributarista Kamila Costa, em uma fatura de R$ 500, com a redução de 25% para 17% do ICMS, o que era cobrado de imposto correspondia a R$ 125, e agora, com a cobrança de 17%, o valor será de R$ 85. Ou seja, a redução gira em torno de 8% no valor da tarifa.

Dados da inflação


Preço da batata-inglesa disparou

Inflação no Estado

> Dos nove grupos pesquisados, 8 tiveram alta nos preços
- Alimentação e bebidas, registraram crescimento 0,16 ponto percentual (p.p.).
- Na sequência, está o setor de saúde e cuidados pessoais, com impacto de 0,15 p.p.
- Depois transportes, com 0,12 p.p.
- O único grupo com queda em outubro foi comunicação que marcou -0,03 p.p.

Alimentação e bebida

> Os destaques da inflação - Onde está o aumento:

- batata-inglesa (23,36%).
- tomate (17,63%).
- cebola (9,31%).
-  frutas (3,56%).
- Preço estável e em queda destacam-se o leite longa vida (-6,32%).
- óleo de soja (-2,85%)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: