X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Especialistas indicam oito opções de aplicações para fugir da poupança

| 11/08/2021 13:36 h | Atualizado em 11/08/2021, 13:54

Apesar da caderneta de poupança ser a forma mais popular de investimento no País, ela não é a que mais tem apresentado bons rendimentos, segundo especialistas. Eles apontam que, inclusive, a aplicação já não supera a inflação há anos.

Desta forma, cada vez mais os brasileiros estão escolhendo outras maneiras de fazer render o dinheiro com melhores taxas e que apresentem baixos riscos de perda. Especialistas ouvidos pela reportagem apontaram oito aplicações para quem deseja investir.

Uma delas é o Certificado de Depósito Bancário (CDB). Segundo Douglas Niero, assessor da Valor Investimentos, esse tipo de aplicação rende até 100% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI). Já a poupança tem o rendimento de 70% da taxa Selic.

Cálculo do Imposto de Renda: mudança vai atingir 2 milhões de pessoas
Cálculo do Imposto de Renda: mudança vai atingir 2 milhões de pessoas |  Foto: Divulgação

“Para obter retorno maior do que isso, o investidor ainda pode recorrer a aplicações de prazos mais longos. Se a pessoa se comprometer a deixar o recurso aplicado em um prazo maior, ela pode contratar taxas maiores, como até 140% do CDI a depender da instituição financeira. Tudo isso com o risco baixo”, afirmou Douglas.

Já o economista José Márcio Soares de Barros destacou as Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCI e LCA) como formas de fazer render melhor os investimentos, já que são aplicações livres de taxação de Imposto de Renda (IR).

“Essas aplicações têm a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). E pagam até 86% do CDI com liquidez a partir de 90 dias (período de carência). Depois desse período, é liquidez diária”.

Barros destacou que é preciso desconfiar de instituições que ofereçam rentabilidade muito alta. “Pode ter um risco embutido com essa taxa, é importante observar. O risco pode ser muito alto”.

Em relação a investimentos em bancos digitais, Douglas Niero afirmou que é preciso ficar atento se a aplicação é coberta pelo FGC. “Quando um cliente faz uma aplicação num banco digital, a primeira coisa que ele deve averiguar é o tipo de aplicação. Conhecendo a aplicação, tem que verificar se ela está coberta pelo FGC”.

Ainda de acordo com Douglas, para começar um investimento não é necessário ter uma grande quantia em dinheiro.

“O primeiro passo é buscar a ajuda de um especialista na instituição financeira na qual ela tem conta. As principais corretoras abrem contas a partir de qualquer valor e os bancos digitais também”.

Renda fixa e aposta até em ações

Quem desistiu de investir na caderneta de poupança e procurou novas formas de fazer render o próprio dinheiro foi a aposentada Ana Maria Barcellos, de 64 anos.

Usuária da poupança há mais de 30 anos, ela afirmou que estava insatisfeita com a rentabilidade que tinha. A aposentada passou então a investir em aplicações como renda fixa, RDB, CDB e também no mercado de ações.

“Isso já faz uns três anos. E não me arrependo. Nunca perdi nada. Ainda deixo um pouquinho na poupança pela facilidade de pagar alguma conta e outras coisas”, explicou.

Ela destacou que, caso as taxas da poupança melhorassem, ela poderia voltar a investir. “A gente quer segurança, mas renda também”.


OS INVESTIMENTOS


1 Tesouro Selic

  • O Tesouro Direto Selic é um título de dívida emitido pelo governo federal. Isso significa que, ao investir nele, você estará emprestando dinheiro ao poder público.
  • Para o investidor que busca aplicar com a flexibilidade de poder resgatar o dinheiro quando quiser, sem perda de lucro, o Tesouro Direto tende a ser uma boa opção.
  • É uma aplicação de baixo risco e vai render próximo à taxa Selic, que tem retorno aproximado de 100% do CDI, com a liquidez diária. Esta aplicação tem IR retido na fonte.
  • O investidor pode fazer o investimento na própria plataforma do banco ou corretora dele, acessando o menu do tesouro direto e solicitando uma aplicação.

2 Certificado de Depósito Bancário (CDB)

  • É um dos investimentos mais conhecidos pelos investidores da renda fixa. É um título emitido por bancos com o objetivo de captar dinheiro.
  • O rendimento está interligado com o prazo de liquidez da aplicação. Essas aplicações rendem, em média, 100% do CDI. Mas isso pode variar de acordo com cada instituição financeira, segundo especialistas. É protegido pelo FGC.
  • De acordo com o assessor da Valor Investimentos Douglas Niero, se a pessoa se comprometer a deixar o recurso aplicado em um prazo maior, ela pode contratar taxas maiores, como até 140% a depender da instituição financeira.
  • Para investir, a pessoa tem que ter um saldo em banco ou na corretora e fazer uma aplicação. Em seguida, o valor é descontado do saldo e vai para dentro da aplicação.

3 Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

  • É um título de renda fixa emitido com o objetivo de levantar recursos para aplicação em investimentos no setor imobiliário.
  • Paga até 86% do CDI, com liquidez a partir de 90 dias (período de carência). Depois desse período, é liquidez diária. Não tem taxação de IR. É protegido pelo FGC.

4 Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)

  • Também é um título de renda fixa emitido pelos bancos, mas, diferente da LCI, a captação é direcionada para financiar as atividades do setor do agronegócio.
  • O rendimento é parecido com o da LCI e também não possui taxação de IR. É protegido pelo FGC.

5 Recibos de Depósitos Bancários (RDB)

  • Funciona como o CDB, são títulos emitidos pelos bancos.
  • Para iniciar o investimento, é necessário procurar um gerente para abrir uma conta investimento no banco ou na instituição financeira.
  • Os valores mínimos que devem ser investidos variam de acordo com a instituição financeira.
  • A média de rentabilidade é 100% do CDI para liquidez diária. Possui taxação de IR. É protegido pelo FGC.

6 Letra de Câmbio (LC)

  • É um título de renda fixa muito semelhante ao CDB. A principal diferença entre o CDB e a LC é que o primeiro é emitido por um banco e a segunda por financeiras.
  • A média de rendimento é de 100% do CDI, podendo variar de acordo com cada instituição.
  • O rendimento pode ser atrelado ao CDI ou combinado com uma taxa fixa mais o IPCA, por exemplo, 100% do CDI ou 4,0% + IPCA. Possui taxação de IR. Possui garantia do FGC.

7 Letras Hipotecárias (LH)

  • É um investimento em renda fixa emitido por instituições financeiras para usarem como recursos para hipotecas.
  • A média de rendimento é de 100% do CDI, podendo variar de acordo com cada instituição financeira. Possui taxação de IR e tem proteção do FGC.

8 Fundos de Renda Fixa

  • O fundo de renda fixa é uma carteira de investimentos composta por diversos ativos de renda fixa, como títulos públicos. O retorno pode ficar em média a 100% da CDI e possui taxação de IR.

Fonte: Especialistas ouvidos e pesquisa AT.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS