Login

Atualize seus dados

STARTUPS

Empresas capixabas em busca do sonho de 1 bilhão de dólares

Espírito Santo tem 132 empresas que apostam na tecnologia para criar soluções inovadoras e, assim, alcançar valor de mercado bilionário

15/11/2021 22:02:43 min. de leitura

No Estado há um total de 132 startups – que são negócios inovadores, de base tecnológica, que tem potencial de crescer exponencialmente sem elevar, na mesma proporção, seus custos. 

Essas startups apostam na tecnologia em busca do sonho de se tornarem unicórnios – atingir U$$ 1 bilhão (R$ 5,5 bilhões) em valor de mercado.  A maior parte delas no Espírito Santo tem como  modelo de negócio software como serviço (42,6%). 

Embora tenham base tecnológica, há projetos de diversas áreas. Na saúde, por exemplo, o advogado Thiago Batista Bernardo da Silva, de 38 anos, criou um plano de saúde para pets, que atende cães e gatos. 

A ideia surgiu após ele ganhar o Soja, um cãozinho da raça shiba, com menos de um ano de idade. O animalzinho passou mal, em um domingo. “Como pai de pet de primeira viagem, eu não sabia o que fazer”, contou.  

Imagem ilustrativa da imagem Empresas capixabas em busca do sonho de 1 bilhão de dólares
A turismóloga Thelma Cristiane Costa Albano, de 41 anos, contratou um plano de saúde para Milly, sua Poodle Toy de 8 anos Foto: Kadidja Fernandes/AT
 

O advogado buscou atendimento médico e quando a conta chegou, não era nada barata. Foi aí que Thiago percebeu a necessidade de um plano de saúde para os bichos. “Somos o único plano de saúde para pet no Brasil com hospital próprio”, destacou.  

CEO da Lifepet, Thiago salientou que a startup começou um processo de expansão. O plano que está presente no Espírito Santo, Rio de Janeiro e em São Paulo também chegará a Brasília e Goiânia.

Com 80 milhões de cães e gatos no Brasil, vem a pretensão de o negócio virar um unicórnio. “Hoje o pet é considerado um membro da família. E temos mercado para isso”, afirmou Thiago.

Já a GainTch, startup incubada no Núcleo Incubador do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), Serra, está com olhar direcionado para três vertentes. 

São elas: construção de robôs tanto para indústrias quanto para universidades; desenvolvimento e venda de cursos de robótica educacional; e visão computacional para empresas. 

Atualmente eles estão trabalhando em um robô que pode servir de base comum para vários tipos de inspeção em diferentes empresas, além de estarem desenvolvendo cursos e kits de robôs em miniatura para auxiliar na robótica educacional.

Imagem ilustrativa da imagem Empresas capixabas em busca do sonho de 1 bilhão de dólares
Pablo e Marco Antonio estão trabalhando em um robô que pode servir de base comum para vários tipos de inspeção em empresas Foto: Kadidja Fernandes/AT
 

A startup é formada por seis sócios, mestrandos e doutores. Entre eles o doutor em Engenharia Elétrica Marco Antonio de Souza Leite Cuadros, de 46 anos, e os mestrandos em Engenharia de Controle e Automação Leonardo Batista, de 27 anos, e  Pablo France Salarolli, de 26 anos.

“Trabalho fazendo o que gosto e  temos vários objetivos, não só financeiro, como resolver problemas, criar empregos. Mas nos tornarmos um unicórnio é algo que pode vir naturalmente”, destacou Pablo Salarolli.

Plano de saúde

A turismóloga Thelma Cristiane Costa Albano, de 41 anos, é tutora de uma Poodle Toy, a Milly, de 8 anos. “É minha filha. Muitos anos antes de ela chegar para mim, eu já sonhava com ela. Não vou a lugares onde ela não é bem-vinda”, disse.

E para cercar a Milly de cuidados, Thelma contratou um plano de saúde para a cachorrinha. “É  muito reconfortante para mim saber que ela está bem assessorada. Que  o dia que ela precisar, a hora que ela precisar, ela vai ser muito bem atendida”.


ENTENDA


Startups

São negócios inovadores, de base tecnológica, que tem potencial de crescer exponencialmente sem elevar, na mesma proporção, seus custos. Chega um momento em que a startup continua crescendo e seu custo se mantém fixo. 

Há um total de 132 startups no Espírito Santo. Sendo que a maioria delas está na capital, Vitória: com um total de 92. Em Vila Velha são 19 e em Serra, por exemplo, seis.

Fases 

As startups passam por diversas fases, entre elas: ideação, operação, tração e scale-up.  Abaixo estão as fases e o percentual de startups do Estado que estão passando por cada uma delas.

1 - Ideação: 17,5%  

Momento em que só os fundadores ou poucas pessoas estão trabalhando no negócio.  A ideia está sendo testada.

2 - Operação: 31,3% 

Nessa fase o negócio principal já se comprovou. A startup começa a buscar os clientes principais e aumenta sua equipe. O foco é a qualidade e não o ritmo de crescimento.

3 - Tração: 42,5% 

Nesse momento o negócio já tem o time, a tecnologia e a operação está organizada. O foco é crescer e vender para muita gente. É uma fase de crescimento intenso, em que muitas empresas acabam perdendo qualidade.

4 - Scale-up: 8,7% 

A curva de crescimento deixa de ser tão acentuada e passa a ser mais previsível.

Atuação

  • De empresas para empresas: 50%
  • De empresa para consumidor: 16%
  • Empresa intermediária entre outras empresas e consumidores: 32%
  • De empresa para pessoas: 1%
  • De empresa para governo: 1%

Modelo de negócio

  • Marketplace: 17%
  • Software como serviço: 42,6%
  • E-commerce: 4,3%
  • Consumer: 7,4%
  • Venda de dados: 1%
  • Licenciamento: 4,3%
  • Hardware: 4,3%
  • Outros: 19,1%

Maturidade 

O Espírito Santo está em 12º lugar entre os estados brasileiros com maior número de startups.  O que, segundo a Associação Brasileira de startups, é uma posição boa em relação à média nacional, ainda que em menor quantidade se comparada aos demais estados da região Sudeste.

A associação ressaltou que, qualitativamente, grande parte dessas startups mapeadas já estão em fases de tração e escala, demonstrando maturidade no ecossistema de inovação.

Unicórnio

Trata-se de uma startup que atinge U$$ 1 bilhão (R$ 5,5 bilhões) em valor de mercado.

Fonte: Abstartups e Denis Ferrari