Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Doze mil caem em golpe do dinheiro esquecido

Criminosos fazem vítimas divulgar seus dados bancários em sites falsos criados para simular a página do Banco Central

Ludmila Azevedo, do jornal A Tribuna | 17/02/2022 16:43 h | Atualizado em 17/02/2022, 16:44

Desde que o Banco Central (BC) anunciou que consumidores poderiam recuperar “dinheiro esquecido” nos bancos, golpistas estão criando sites falsos que prometem valores altos em dinheiro para quem digitar suas informações pessoais e bancárias.

A unidade de cibersegurança PSafe já identificou centenas de milhares de vítimas em todo o País. No Estado, o especialista em Segurança Digital Eduardo Pinheiro estima que cerca de 12 mil consumidores já caíram nesse tipo de fraude.

Inicialmente, a consulta poderia ser feita em um site do Banco Central (BC) nomeado como “Registrato”. Desde a última segunda-feira, dia 14, esse portal foi substituído pelo site valoresareceber.bcb.gov.br.

“Os cibercriminosos utilizam temas de grande repercussão, como este caso, para atrair o interesse do público. Identificamos um site com mais de 567 mil acessos outro com mais de 308 mil e um terceiro com mais de 180 mil”, destacou o executivo-chefe de cibersegurança da PSafe, Emilio Simoni.

Nas primeiras 48 horas desde que o novo site do BC entrou no ar, foram identificados quase 30 endereços falsos com este tema, de acordo com a Kaspersky, empresa internacional de segurança eletrônica e privacidade.

A grande maioria tem o nome “Registrato” em seu endereço, em alusão ao site antigo do BC. 

Os criminosos, inclusive, aproveitam para lançar fraudes relacionadas ao Pix. Muitas vezes o site clonado mostra um suposto saldo que poderá ser resgatado imediatamente pelo sistema de transferência instantânea.

“Os golpistas criaram mensagens personalizadas com esse tema para atrair o interesse da população com sites que até têm a identidade visual parecida com o original”, alertou o especialista Eduardo Pinheiro.

Para evitar cair nesse tipo de cilada, ele orienta que a população desconfie de qualquer mensagem recebida sobre resgate de “dinheiro esquecido”.

“O Banco Central não envia SMS, WhatsApp e nem mesmo e-mail. Se você receber essas mensagens com sites falsos, o ideal é não encaminhar, porque é isso que ajuda os criminosos”.

A funcionária pública Nancy Idanez recebeu um link falso para resgate de dinheiro em um grupo de WhatsApp
A funcionária pública Nancy Idanez recebeu um link falso para resgate de dinheiro em um grupo de WhatsApp |  Foto: Acervo Pessoal
 

Pedido de senha em link falso

A funcionária pública Nancy Idanez, de 42 anos, recebeu um link falso para resgate de dinheiro em um grupo de WhatsApp.

“A página inicial pedia nome e o CPF. Coloquei meus dados, e o site informou que eu tinha R$ 3.347 para receber. Abaixo, tinha a opção de receber pelo PicPay, pedindo a senha para fazerem o depósito, deixando claro se tratar de um golpe”, relatou ela, que depois alertou os outros membros do grupo a não passarem o link para frente.


SAIBA MAIS


Golpe do dinheiro esquecido

  • Aproveitando a recente divulgação do Banco Central de que há valores esquecidos em contas bancárias que podem ser resgatados, criminosos já criaram dezenas de sites falsos para pegar informações pessoais e bancárias das vítimas.

Exemplos de sites fraudulentos encontrados 

  • registrato.online
  • consulteregistrato.online
  • registrato.consulta-publica.com
  • registrato-banco-central.16b.ua
  • registrato.click
  • pixautomaticos.online
  • card-registrato.online
  • dispositivo-registrato.com

Dicas para evitar golpe

  • Desconfie de qualquer mensagem que ofereça alguma vantagem ou premiação.
  • Olhe com cuidado o endereço do site, evitando compartilhar dados pessoais em endereços diferentes dos oficiais.
  • Use uma solução de segurança de confiança, como um bom antivírus, para bloquear o acesso a esses sites fraudulentos.
  • Na dúvida, você pode sempre testar se um link é confiável, gratuitamente, no site do dfndr lab: www.psafe.com/dfndr-lab/pt-br

Resgate pelo site oficial

  • Busque informações sobre Valores a Receber apenas no site do Banco Central. O endereço é valoresareceber.bcb.gov.br
  • A tela inicial pede o preenchimento do nome completo e do Cadastro de Pessoa Física (CPF), para que a consulta seja feita.
  • Ao fazer a consulta, podem aparecer dois tipos de mensagem: uma dizendo que a pessoa não tem valores disponíveis para resgatar, ou outra dizendo que tem valores esquecidos, com a data para consulta do valor a resgatar, e a data em que será possível pegar o dinheiro.
  • O agendamento de consultas e resgates será de acordo com a data de nascimento da pessoa ou de abertura da empresa.
  • Estima-se que há cerca de R$ 8 bilhões em instituições financeiras que ainda não foram resgatados por clientes em todo o País. 
  • A cifra inclui saldos residuais em contas correntes, por exemplo, ou cobranças indevidas. O dinheiro é transferido via Pix.

Calendário de agendamento para resgate

  • Quem nasceu antes de 1968 ou abriu a empresa antes desse ano, terá uma janela de 7 a 11 de março para consultar e solicitar o resgate. A data de repescagem é 12 de março;
  • Quem nasceu entre 1968 e 1983 ou abriu empresa neste período, terá uma janela de 14 a 18 de março. A data de repescagem é 19 de março;
  • Quem nasceu após 1983 ou abriu empresa após esse ano, terá uma janela de 21 a 25 de março. A data de repescagem é 26 de março;

Repescagem

  • Se você perdeu a data do agendamento, basta entrar novamente no site valoresareceber.bcb.gov.br e solicitar novo acesso. O sistema vai informar nova data para o retorno.
  • Haverá ainda uma data para repescagem de acordo com a data do nascimento, como acontece com a vacinação contra a covid.
  • Se você também perder a repescagem, poderá consultar ou solicitar o resgate do saldo existente a partir de 28 de março.
  • Mesmo se você não consultar ou solicitar o resgate do saldo existente em todas essas datas, não afeta seu direito sobre os recursos a devolver.
  • O dinheiro continuará nas instituições financeiras até que você solicite o resgate.

Fonte: Pesquisa AT.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS