X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Dez bairros que mais vão se valorizar e ter novos imóveis

| 03/09/2021 19:13 h | Atualizado em 03/09/2021, 19:44

O Espírito Santo deve terminar este ano com 13 mil novos imóveis, mesmo patamar de 2020, ano que foi positivo para o mercado imobiliário, segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-ES), Paulo Baraona.

E tanto bairros tradicionais quanto novos polos imobiliários da Grande Vitória vão receber empreendimentos e valorizar-se ainda mais a partir deste ano.

Na capital, Praia do Canto, Jardim Camburi, Jardim da Penha, Enseada do Suá e Santa Lúcia vão concentrar novos empreendimentos. Já em Vila Velha, a aposta é na região da Praia de Itaparica, conforme o novo presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Espírito Santo (Ademi-ES), Eduardo Fontes, que destacou 10 bairros da Grande Vitória.

Itaparica é a maior aposta entre bairros de Vila Velha, sobretudo devido aos novos empreendimentos que serão construídos na região, segundo a Ademi
Itaparica é a maior aposta entre bairros de Vila Velha, sobretudo devido aos novos empreendimentos que serão construídos na região, segundo a Ademi |  Foto: Acervo AT
A posse da nova diretoria da entidade para o biênio 2021-2023 ocorreu nesta semana. Segundo Eduardo Fontes, em Vitória, o principal fator a determinar a valorização dos empreendimentos é a disponibilidade de terrenos.

“Os terrenos são cada vez mais escassos. Não é à toa que bairros como Praia do Canto atinjam o valor de R$ 20 mil por metro quadrado, para novos empreendimentos.”

Já em Vila Velha, a região de Itaparica deve continuar a receber condomínios de prédios. “É o vetor natural de crescimento da cidade. Regiões de Itapuã, Itaparica e Jóquei de Itaparica. Há empreendimentos de alto padrão, e os preços vêm partindo de, em média, R$ 7.500 por metro quadrado.”

Na Serra, segundo o presidente da Ademi-ES, os loteamentos devem continuar uma tendência crescente, em bairros como Laranjeiras, Barcelona e Jardim Limoeiro. A região também tem atraído empreendimentos comerciais e industriais, com centros logísticos e novas fábricas.

O novo presidente da Ademi-ES observou ainda que, mesmo com a pandemia, o segmento registrou crescimento das vendas entre 2020 e 2021, e mudanças no padrão de consumo das pessoas, além de novos formatos de trabalho em regime de home office são novas tendências para o mercado imobiliário.

Valorização

Segundo o Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades brasileiras, Vitória é a capital que mais registrou valorização imobiliária nos últimos 12 meses (+15,82%).

Neste ano, a valorização acumulada já é de 10,12%.

Mercado está otimista mesmo com o aumento da taxa de juros

Depois de chegar ao menor patamar da história no ano passado, a nova trajetória de alta dos juros não é empecilho para a compra de imóveis, principalmente para aqueles que procuram pela casa própria.

De acordo com o novo presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-ES), Eduardo Fontes, o reajuste serviu para controlar a inflação.

“Esse ajuste é fundamental para a economia, mas não vejo como impacto muito negativo. Sem falar que o nosso setor é muito de longo prazo. A gente já viveu em anos anteriores bons momentos com juros de até dois dígitos. A expectativa continua sendo ainda muito boa, pois nossos estoques hoje são muito baixos, então vejo ainda como um momento oportuno”, destacou o presidente da Ademi-ES.

Ontem, a Caixa Econômica Federal anunciou que atingiu, em agosto, o maior resultado já registrado na concessão de crédito imobiliário, com R$ 14 bilhões contratados, um crescimento de 33% em relação a agosto de 2020.

Segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo (Sinduscon-ES), Paulo Baraona, a expectativa no setor é de recuperação das perdas da pandemia.

“As construtoras começaram a tirar os projetos da gaveta. Desde o final do ano passado, o cenário voltou a se aquecer, apesar da crise que houve com os materiais de construção. Por isso, as empresas estão mais cautelosas. Mas tem havido recuperação, também na indústria e nas obras públicas”, avaliou Baraona.


SAIBA MAIS


Vitória

  • o principal fator que tem influído no preço de novos empreendimentos na capital é a disponibilidade de terrenos em bairros residenciais, que são escassos.
  • como os terrenos são mais caros, os empreendimentos acabam tendo padrão mais elevado.

Praia do Canto

  • segundo o índice fipezap, a Praia do Canto tem o metro quadrado mais caro do Estado, com preço médio de R$ 9.355 em julho deste ano.
  • no bairro, o valor do metro quadrado já chegou a R$ 20 mil para um empreendimento de alto padrão.

Barro Vermelho

  • pela proximidade com a Praia do Canto, o bairro tem atraído empreendimentos de alto padrão nos últimos anos.
  • segundo o índice fipezap, em julho, o metro quadrado atingiu o valor de R$ 8.947.

Jardim Camburi

  • o maior bairro residencial do Estado continua atraindo novos empreendimentos e tem atrativos como a proximidade com a praia e variedade de comércio e serviços.

Jardim da Penha

  • também tradicional bairro residencial, pela escassez de terrenos, tem concentrado novos empreendimentos valorizados.

o metro quadrado médio no bairro custa R$ 6.353.

Enseada do Suá

  • bairro também conhecido pelos empreendimentos residenciais e comerciais de alto padrão, é outra aposta de valorização.

Santa Lúcia

  • outro bairro que concentra tanto empreendimentos comerciais como residenciais, está entre os metros quadrados mais valorizados da capital (em média R$ 6.433).

Vila Velha

  • segundo os especialistas do mercado imobiliário e da construção civil, o município canela-verde é o destaque atual no segmento, registrando forte expansão imobiliária.

Itaparica e Jockey de Itaparica

  • a região de Itaparica é a que mais cresce em Vila Velha, com os atrativos da proximidade com o mar e espaço para novos empreendimentos. A região do Jockey de Itaparica é o novo centro de empreendimentos verticais de alto padrão.

Serra

  • município que já foi o centro dos empreendimentos imobiliários, agora aposta em segmentos como os loteamentos residenciais e empreendimentos industriais.

Laranjeiras

  • pela localização central, Laranjeiras deve continuar sendo uma das regiões mais valorizadas da cidade.

Cariacica

  • a cidade é aposta das construtoras para loteamentos e terrenos planos. A região de Campo Grande continua sendo a mais valorizada.

Fontes: Ademi-ES, Sinduscon-ES e Índice Fipe Zap julho de 2021.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS