X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Desconto de até R$ 30 em gás de cozinha

| 05/02/2020 19:51 h | Atualizado em 05/02/2020, 20:24

Imagem ilustrativa da imagem Desconto de até R$ 30 em gás de cozinha
Após distribuir 100 cupons na compra de gasolina para motoristas, o Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (Sindipetro) está preparando um novo protesto para os próximos dias. O objetivo agora é distribuir descontos para compra de gás de cozinha.

"É um produto que pesa no orçamento das pessoas com menor renda, e por isso pretendemos fazer essa iniciativa para população. Será um desconto de 30 reais no valor original do gás. Se uma botija custa 70 reais, por exemplo, as pessoas conseguirão comprar por 40", explica o coordenador interino do Sindipetro, Valmisio Hoffman.

Sobre onde e quando será realizada a ação, o coordenador explica que os detalhes serão definidos até o final de semana, por questão de segurança, mas adiantou que a ação deve ser realizada tanto na Grande Vitória como em São Mateus.

"O objetivo é que as pessoas tragam botijões vazios para comprarem o gás. Estamos avaliando com os bombeiros o local e data adequados, já que pretendemos oferecer a maior quantidade possível para a população. Queremos fazer na Grande Vitória e também, caso conseguirmos uma empresa que leve um caminhão de botijão na frente da base em São Mateus, faremos lá também".

Hoffman também adiantou que a ideia é seguir com descontos em cupons para pessoas na fila. Além disso, a pessoa poderá pagar com dinheiro ou cartão no momento da compra.

A manifestação tem como objetivo chamar a atenção da população sobre a situação atual da Petrobrás. De acordo com Hoffman, o Espírito Santo será fortemente afetado caso a empresa feche a base de São Mateus, como está fazendo no Paraná, onde pretende fechar uma fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados.

"O norte capixaba será totalmente afetado. Já tivemos mais de 700 trabalhadores na base de São Mateus. Hoje, a Petrobrás quer, de forma unilateral, fechá-la, e levar apenas 30 dos mais de 200 que trabalham ali para Alegre. Vai gerar grande desemprego, e o município de São Mateus vai perder muito em impostos. É uma cadeia, porque trabalhadores ficarão sem plano de saúde e sobrecarregarão o Sus, além de a base movimentar a economia local".

Protestos

Os protestos tiveram início no último sábado, em protesto contra demissões e outras medidas tomadas Petrobrás no país. Um grupo de diretores da Federação Única dos Petroleiros (FUP) ocupa desde a última sexta a sede da estatal, para forçar negociações.

Os sindicatos reclamam que o fechamento da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados, no Paraná, pode resultar em cerca de mil demissões. As demissões estão marcadas para 24 de fevereiro.

Já no Espírito Santo, há previsão de que a base em São Mateus será fechada, gerando demissões e afetando a economia local, de acordo com o coordenador interino do Sindipetro, Valmisio Hoffman. Ele reclama sobre a Petrobrás fechar um local próprio para transferir trabalhadores para um local alugado, em Alegre.

"O local em Alegre não é da Petrobrás. É uma decisão política. É um local locado onde a Petrobrás gastará mais com alimentação, 30% de periculosidade por ser uma área industrial, terá que gastar com transporte, enfim. Estão preparando um desmonte do campo terrestre. Não possuem mais interesse com atividades que dão pouco lucro. A maior margem de lucro hoje é o pré-sal. Esse é o primeiro passo para a privatização. Já venderam dezenas de unidades, e São Mateus também já está prevista para ser vendida".

Rodiene Ribeiro Ferreira, motorista de aplicativo, foi a primeira da fila
Rodiene Ribeiro Ferreira, motorista de aplicativo, foi a primeira da fila |  Foto: Fábio Nunes/AT
Na manhã desta quarta-feira (05), a primeira a chegar na fila para receber os cupons do Sindipetro de desconto para combustível foi a motorista de aplicativo Rodiene Ribeiro Ferreira, de 50 anos. Ela chegou no local por volta das 5h50. Para ela, o preço da gasolina está muito caro, e a luta da categoria é válida.

"Creio que a maioria das pessoas que vieram hoje são motoristas de aplicativo. O preço da gasolina estão muito caro, então a iniciativa é válida. Para mim está sendo muito importante, porque o desconto vai fazer uma grande diferença, com certeza. Cheguei bem cedo após ficar sabendo da ação pelas redes sociais. Creio que a decisão do sindicato foi certa, porque quando se luta por uma categoria, tudo é válido".

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS