X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Consulta de dinheiro esquecido em bancos: veja como ter acesso

Banco Central criou um novo site exclusivo para procurar saber se há valores a receber, que, a partir da próxima segunda (14), vai funcionar

Jornal A Tribuna | 08/02/2022 17:27 h

Banco Central estima que cerca de 8 bilhões de reais estão esquecidos nos bancos pelos donos em todo o País
Banco Central estima que cerca de 8 bilhões de reais estão esquecidos nos bancos pelos donos em todo o País |  Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
 

O Banco Central (BC) criou um novo site exclusivo para a consulta do “dinheiro esquecido” em bancos, que soma cerca de R$ 8 bilhões. As consultas ao Sistema de Valores a Receber (SVR) serão retomadas no dia 14 de fevereiro e contarão com um espaço específico para tal.

As consultas serão feitas no site valoresareceber.bcb.gov.br. Todo o relacionamento do cidadão com o SVR será feito nesse espaço e não haverá possibilidade de consulta no site principal do Banco Central.

O sistema foi anunciado no dia 24 de janeiro, mas saiu do ar poucos dias depois devido a sobrecarga de acessos. No auge da busca, até o site do BC ficou fora do ar. Ainda assim, foi possível solicitar o saque de R$ 900 mil que estavam “esquecidos”.

O novo sistema traz um passo a passo de como fazer o resgate de valores. Uma mudança importante é que não será mais possível acessar o SRV com o login Registrato, como ocorreu na primeira etapa da consulta. Agora, a exigência é que a pessoa possua um login na plataforma Gov.br, nível prata ou ouro, para acessar o SRV.

O BC explica que, no momento em que fizer a consulta pelo novo site, o cidadão saberá se tem algum valor a receber. Caso tenha algum “dinheiro esquecido”, ele receberá as datas para conhecer os valores e solicitar a transferência a partir do dia 7 de março.

A recomendação da autoridade monetária é de que o cidadão retome o acesso no site na data informada. Caso não cumpra esse prazo, a pessoa terá de fazer nova consulta para receber outra data para pedir o resgate.

O BC diz que não é preciso se preocupar com uma eventual perda do prazo para solicitação, porque o acesso ao site pode ser feito a qualquer momento, bem como uma nova solicitação de agendamento.

“O cidadão nunca perde o direito sobre os valores em seu nome. As instituições financeiras guardarão esses recursos pelo tempo que for necessário, esperando até que o cidadão solicite a devolução”, diz o BC em nota.


SAIBA MAIS


Novo site

  • A partir da próxima segunda-feira (14), você pode acessar o site valoresareceber.bcb.gov.br. Informe seu CPF ou CNPJ para consultar se você tem algum “dinheiro esquecido”.
  • Feita a consulta, o sistema vai informar se você tem ou não valores a receber. Caso tenha dinheiro para sacar, preste atenção na data que o Sistema de Valores a Receber vai informar. Essa data será um agendamento, e você poderá consultar os valores e informar os dados para a transferência nesse dia.

Recuperação

  • Para fazer o resgate do dinheiro, você precisa ter conta na plataforma Gov.br. O cadastro é gratuito e pode ser feito pelo site ou pelo app Gov.br.
  • Para conseguir movimentar os valores, você precisa ter um cadastro nível prata ou ouro nesta plataforma. Uma mudança importante é que não será mais possível acessar o sistema com o login Registrato.
  • Na data agendada, acesse novamente o site valoresareceber.bcb.gov.br, usando seu login Gov.br nível prata ou ouro para saber qual o valor disponível para saque e solicitar a transferência.
  • Se você perdeu a data do agendamento, basta entrar novamente no site valoresareceber.bcb.gov.br e solicitar novo acesso. O sistema vai informar nova data para o retorno. 
  • Você não perderá o direito aos valores em seu nome, que continuarão nos bancos pelo tempo necessário até que seja feita a solicitação da devolução.

Consulta

  • Qualquer pessoa pode consultar se tem algum dinheiro a receber “esquecido” em contas-corrente e poupança encerradas, cotas de capital e rateio de sobra de cooperativas de crédito, recursos de consórcios e tarifas, parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito, como empréstimos e financiamentos cobradas indevidamente.
  • O BC estima que há cerca de R$ 8 bilhões parados nos bancos, sem as pessoas nem ao menos ter conhecimento ou lembrança sobre isso. 

Fonte: Banco Central e jornal O Globo.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS