Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Congresso prorroga limite maior do consignado do INSS

Com a medida, ainda é possível comprometer até 40% do valor do benefício do INSS: 35% com desconto direto na folha de pagamento e até 5% para usar o cartão de crédito consignado

Agência Folhapress | 13/05/2022 21:58 h

O Congresso prorrogou nesta sexta (13) a MP (Medida Provisória) que amplia a margem de crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A prorrogação é válida por 60 dias.

Com a medida, ainda é possível comprometer até 40% do valor do benefício do INSS: 35% com desconto direto na folha de pagamento e até 5% para usar o cartão de crédito consignado, como autorizado no ano passado por causa da pandemia.

De acordo com a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), os bancos já estão operando o novo limite de 40% para beneficiários e pensionistas do INSS desde a edição da MP original e publicação das normas legais e instruções normativas do INSS em 17 de março.

A MP também prevê autorização para que beneficiários do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e do Auxílio Brasil possam pedir esse tipo de empréstimo, mas falta regulamentação para que a modalidade possa ser oferecida.

"Quanto aos beneficiários do Auxilio Brasil, ainda encontra-se pendente a regulamentação pelo Ministério da Cidadania, após o que os bancos irão analisar as condições para oferta do crédito", afirma a Febraban, em nota.

Antes da MP, aposentados e pensionistas poderiam comprometer até 35% da renda mensal para pagar parcelas debitadas diretamente dos seus benefícios, sendo 30% para o pagamento de empréstimos com desconto direto na folha e 5% para débitos relativos a despesas ou saques com cartão de crédito.

A ampliação da margem do consignado pode animar aposentados e pensionistas, mas é preciso atenção e cautela para evitar o endividamento.

Por conta da facilidade de concessão e de ter as menores taxas de juros do mercado, o consignado é o tipo mais procurado de empréstimo, mas requer cuidados.

O interessado deve conhecer a sua real situação financeira antes de tomar qualquer crédito e se certificar de quanto tempo irá levar para quitar a dívida.

Segundo o advogado Rômulo Saraiva, é preciso ter uma cópia do contrato do consignado e ler com atenção todo o documento antes de assiná-lo.

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO

- Cada pensionista ou aposentado pode contratar até nove empréstimos e ter um cartão de crédito consignado ao mesmo tempo

- No cartão, é possível comprometer mais 5% da renda, o que eleva a margem consignável total para 40%

- As taxas máximas de juros autorizadas são de 2,14% ao mês, para o empréstimo, e 3,06% ao mês, para o cartão consignado

- O consignado é descontado diretamente da folha de pagamento do benefício, em parcelas mensais fixas

- Ou seja, até que o empréstimo seja quitado, o aposentado vai receber menos todo mês

- O crédito consignado é opção para quitar cheque especial, cartão de crédito e empréstimos pessoais com juros mais altos

- Especialistas recomendam não pegar empréstimo para ajudar amigos e parentes, já que a dívida ficará com o aposentado

O QUE SE PERGUNTAR ANTES DE CONTRATAR UM CONSIGNADO:

1) Para que preciso do dinheiro?

2) É mesmo necessário?

3) A prestação cabe no meu orçamento?

CONHEÇA SUA MARGEM DE CONSIGNADO

- Pelo Meu INSS, o segurado confere o seu limite de consignado e quanto ainda pode comprometer por mês com o empréstimo

- Acesse www.meu.inss.gov.br Informe CPF e senha

- Em "Serviços em Destaque", clique em "Extrato de Empréstimo"

CUIDADO COM AS FRAUDES

A facilidade de contratação de empréstimos consignados deve manter o aposentado ainda mais em alerta para evitar prejuízos

DICAS DE SEGURANÇA

- Bloqueio o crédito por um ano

- Se não tem intenção de contratar o consignado, peça o bloqueio de ligações das empresas de crédito pelo site https://www.naomeperturbe.com.br/

- O bloqueio vale por um ano

- Cuidado com dados pessoais

- Não informe dados pessoais por telefone

- O INSS não pede nenhum dado pessoal ou o número do benefício

- Não empreste seu nome

- Evite emprestar seu nome

- Se a pessoa não conseguir pagar, é o aposentado que terá que arcar com a dívida e ficar com o nome sujo.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS