X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Carnes de frango e porco ficam mais caras no Estado

| 05/12/2019 18:30 h | Atualizado em 05/12/2019, 19:42

Carne de porco tende a permanecer com o preço mais alto devido a vários fatores, de acordo com especialistas
Carne de porco tende a permanecer com o preço mais alto devido a vários fatores, de acordo com especialistas |  Foto: Divulgação

Com a disparada no preço da carne de boi, devido à abertura das exportações para a China, o preço das carnes de porco e de frango também subiram. Em supermercados da Grande Vitória, o lombo suíno temperado, por exemplo, já chega a custar R$ 31,90 o quilo. Nas bancadas de aves, o meio da asa temperado já bate na casa de R$ 24,90 o quilo.

Tanto o porco quanto o frango, além de serem alternativas para substituir a carne de boi, são mais procuradas para as festas de fim de ano, como lembrou o superintendente da Associação Capixaba de Supermercados (Acaps), Hélio Schneider.

“Os consumidores procuram mais as aves, frango, chester e pernil. E o mercado funciona de acordo com a oferta”, destacou.

Schneider disse ainda que a tendência é que o preço desses alimentos se estabilize depois das festas de fim de ano.

“O valor não vem mais para aquele preço que a gente estava acostumado. A tendência é que o preço permaneça como está hoje, porque com as exportações, a oferta da carne de boi continua abaixo da procura. Mas se o preço subir demais, não vende. Quando um produto sobe muito, o consumidor busca outras alternativas”, explicou.

Outros fatores também influenciam no preço das carnes, como o tempo de produção. Para um boi ir para o abate a idade mínima é de 1,5 a 2 anos. Considerando desde a prenhez da vaca, esse tempo sobe para 4 anos.

Já o porco, leva de 8 meses a um ano para ser abatido. O tempo de produção do frango, por sua vez, é de até 60 dias, o que traz mais segurança e estabilidade para o preço do produto.

“Algumas redes de supermercado estão com bom estoque de frango, por isso vão conseguir manter um bom preço por mais tempo”.

A economista Arilda Teixeira destacou que proteína animal é uma commodity. E que seu preço é cotado em dólar. “Com o dólar subindo, o preço sobe.”

Ela detalhou que o preço vai descer ou subir conforme o comportamento da taxa de câmbio – que é a quantidade necessária de reais para comprar um dólar – somada à reação do consumidor.

“A solução é substituir. Consumir outro produto, como o ovo”, indicou.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS