X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Aposentados ganham até R$ 5 mil de indenização por cobrança indevida

No Estado, pelo menos 2 mil beneficiários já tiveram que lidar com cobranças indevidas. Especialistas orientam a escapar de armadilha



Imagem ilustrativa da imagem Aposentados ganham até R$ 5 mil de indenização por cobrança indevida
Sede do INSS em Brasília |  Foto: Divulgação

Mais de 100 mil aposentados no País já tiveram descontos realizados indevidamente em favor de associações que não prestam serviços.

A advogada especialista em Direito Previdenciário Renata Prado afirma que em um dos casos a indenização ao reclamante chegou a R$ 5 mil por danos morais.

“Até hoje não sabemos a origem, porque o INSS informou que estava com problemas no sistema. O juiz do caso mandou cancelar os descontos e determinou a devolução do que já havia sido descontado, além da indenização por danos morais”, explica a advogada.


Imagem ilustrativa da imagem Aposentados ganham até R$ 5 mil de indenização por cobrança indevida
Uma associação de São Paulo acusada de estar em nome de uma laranja, desconta R$ 45 diretamente da folha de pagamento sem autorização de cerca de 45 mil aposentados e estaria “faturando milhões de reais por mês”. O aposentado Carlos Alberto Vieira (foto), de 62 anos, relatou que teve descontos em sua aposentadoria há cerca de cinco meses em nome dessa associação, e que só descobriu o problema ao ser alertado por um advogado. |  Foto: Acervo pessoal

No Estado, pelo menos 2 mil já tiveram que lidar com essa situação. A estimativa é do coordenador do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário no Espírito Santo (IBDP-ES), Valber Cereza.

“Sou advogado de seis sindicatos de trabalhadores rurais, e recebemos diariamente reclamações de descontos indevidos de associações e outras entidades”, disse.

A advogada especialista em Direito Previdenciário Catarine Mulinari diz ser frequente o envio de cartas prometendo revisões milionárias por associações. “Os aposentados acabam assinando documentos, se associando sem saber e acabam tendo descontos em seus benefícios sem perceber”.

Orientação

O número crescente de casos de cobranças de associações tem chegado ao Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos no Espírito Santo (Sindnapi-ES).

“Orientamos que os aposentados criem o costume de olhar o histórico de créditos e débitos, que é o contracheque, e não só o extrato. Se não reconhecer a cobrança, deve procurar o Procon. Tem como solicitar a suspensão pelo site do INSS”, afirmou o presidente do sindicato no Estado, Janio Araújo.

Segundo Cereza, é possível acabar com a continuidade dos pagamentos de forma administrativa, consultando o próprio INSS ou a entidade que iniciou as cobranças.

“Caso não consiga, há a via judicial. Mas o primeiro passo, no caso dos empréstimos, é que o aposentado faça o bloqueio da modalidade pelo INSS, seja on-line, pelo aplicativo ou pelo telefone”, disse.

INSS orienta como pedir o cancelamento dos descontos

O INSS diz que os aposentados e pensionistas podem pedir o cancelamento de cobranças que não reconheçam. Ao lado do desconto, no extrato, aparece um número de telefone da entidade. Uma possibilidade é ligar para a entidade e pedir o cancelamento. Outra possibilidade é pedir a exclusão da mensalidade associativa pelo site Meu INSS ou pelo telefone 135.

A aposentada Hilda Maria de Barros Machado, de 80 anos, percebeu descontos mensais entre R$ 30 e R$ 40 em sua aposentadoria do final do ano para cá.

A idosa, que recebe um salário mínimo (R$ 1.412), não autorizou os débitos que, somados, chegam próximos a R$ 200.

Hilda Maria é aposentada há 20 anos e percebeu descontos no benefício pela primeira vez em outubro de 2023. Em janeiro, por exemplo, recebeu R$ 1.376, R$ 35 a menos do que deveria. O débito foi feito pela CBPA (Confederação Brasileira dos Trabalhadores de Pesca), segundo o extrato do INSS, mas a cobrança nunca foi autorizado por Hilda.

A CBPA afirma que é uma organização que representa os interesses dos pescadores artesanais no Brasil. O portal de notícias UOL perguntou sobre os descontos indevidos nas aposentadorias, mas não obteve retorno até o fechamento da reportagem”.

Saiba mais

Como evitar as fraudes

É importante conferir mensalmente o extrato de pagamento do benefício no site meu.inss.gov.br ou aplicativo “Meu INSS”.

No site, clique em “Extrato de Pagamento de Benefício”.

O site mostrará os últimos extratos. O mensal apresentará quais foram os valores depositados e descontados do beneficiário.

O INSS não liga ou envia e-mail para os segurados para pedir documentos, fotos, biometria, senhas bancárias ou informações pessoais. Cuidado, pode ser golpe.

O órgão somente entra em contato com os segurados nos casos de remarcação de atendimento, concessão/negativa de benefício, comparecimento a agência e para cumprimento de exigência, mas não pede dados pessoais.

As fraudes

Há cobrança de mensalidade de associação ou sindicato ao qual o beneficiário não é associado.

Parcelas de um empréstimo consignado que não foi contratado são debitadas da conta.

O empréstimo consignado é quitado, mas as parcelas continuam sendo cobradas.

Existem cobranças de serviços como seguros, que não foram contratados.

No caso de cobranças de associações, no geral, o valor descontado costuma ser baixo comparado ao valor do benefício. Assim, poucos aposentados investigam os casos.

O que fazer ao identificar cobrança indevida

Entre em contato com o INSS, por meio do site ou pela central telefônica 135. No próprio site é possível suspender a cobrança.

O aposentado deve pedir a devolução de descontos indevidos no benefício. Para ter o valor de volta, é preciso identificar e comprovar a irregularidade.

Causa contra o INSS que envolvem até 60 salários mínimos podem ser discutidas no Juizado Especial Federal. Quando procura o Juizado, o cidadão não precisa ter um advogado. Mas se o INSS recorrer, será necessário contratar um defensor.

A vantagem de pedir a devolução do dinheiro descontado na Justiça é que o INSS poderá ser condenado a devolver o valor em dobro.

Se a ação for contra bancos, financeiras e associações, o beneficiário deve ir à Justiça comum. Quando o prejuízo é de até 20 salários mínimos, é possível ir ao Juizado Especial Cível, sem advogado.

Fonte: especialistas consultados e INSS.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: