X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

160 mil têm dinheiro para receber, mas deixam de ir ao banco sacar

| 11/12/2019 14:08 h | Atualizado em 11/12/2019, 22:04

Saque: declarações necessárias
Saque: declarações necessárias |  Foto: Divulgação

Pagar as contas atrasadas, fazer compras para as festas de fim de ano ou investir um dinheiro para o futuro. O que você faria se descobrisse que pode sacar até R$ 20 mil? Pois esse dinheiro pode estar à sua espera no banco, relativo às cotas do PIS/Pasep.

Ao todo, 160.370 pessoas no Estado têm direito a fazer o saque e ainda não compareceram às agências da Caixa Econômica ou do Banco do Brasil. Na Caixa, são R$ 217,3 milhões aguardando para serem retirados pelos beneficiários, enquanto no BB são R$ 51 milhões.

“Quase 90% dos beneficiários ainda não sacaram a cota do PIS. É um recurso do qual muitos não têm informação e, como o volume de pessoas que podem sacar recursos do fundo de garantia (FGTS) é bem maior, a cota acaba passando batida”, explicou o superintendente regional da Caixa no Espírito Santo, Denis Mendes.

Tem cotas do Fundo PIS/Pasep somente quem trabalhou com carteira assinada na iniciativa privada ou foi servidor público civil ou militar entre o ano de 1971 e a data de 4 de outubro de 1988, quando mudou a forma de pagamento do benefício, que vigora até hoje.

“É um recurso de direito do trabalhador ou de seus herdeiros. E o fim de ano é um bom momento para fazer esse saque, quando há um aumento de despesas. São mais milhões que estão parados e poderiam aquecer a economia.”

A economista e professora da Fucape Arilda Teixeira acredita que, com a ainda alta taxa de desemprego, é provável que as pessoas façam a retirada desse dinheiro para pagar as dívidas mais urgentes ou fazer algum tipo de consumo, o que traz um impulso positivo na atividade econômica.

A especialista alerta também que o saque das cotas é uma parcela única. Portanto, indica que esse dinheiro, para quem não tem um gasto imediato e necessário, seja investido para o futuro.

“A possibilidade de pegar o recurso é positiva, mas as pessoas devem ter em mente que elas estarão gastando uma poupança. É bom, use a seu favor, mas cuidado para não ficar desprovido de qualquer recurso. Quem não tiver dívida, deve investir”, indicou.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS