search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos
Tribuna Livre

É preciso priorizar a mobilidade das pessoas e não dos veículos

Todos querem viver numa cidade que ofereça uma boa qualidade de vida. Para tanto, faz-se necessário compreendermos a “mobilidade peatonal”, reconhecendo os pedestres nos planejamentos estratégicos como os principais usuários das vias das cidades.

A idealização de uma cidade sustentável passa necessariamente pelo conceito de “walkability”, termo inglês referente ao quanto uma área é apropriada ao caminhar.

É uma medida que agrega benefícios à saúde, ao meio ambiente e à economia.

Não raro, o deslocamento a pé deixa de ser uma opção atrativa, ora por tornar-se uma disputa de espaço com veículos, ora pela quantidade de obstáculos até o destino.

Algumas medidas em relação ao planejamento urbano podem incentivar o caminhar, proporcionando benefícios à cidade e ao indivíduo.

Vários critérios estabelecem o índice de andabilidade, concebidos por diversos indicadores de qualidade. Largura e qualidade das calçadas, arborização, mobiliário urbano, sinalizações, equipamentos urbanos e sistemas disponíveis, iluminação, presença e percepção de segurança urbana são algumas destas avaliações.

A facilidade do pedestre em chegar ao seu destino sem o uso de carros deve ser considerada ao se planejar o espaço público. Também a relação com a calçada deve ser cogitada ao se projetar algum empreendimento.

Caminhar é a forma mais natural de deslocamento e a que possibilita a melhor vivência do espaço urbano.

A preferência pela condição de pedestre torna a rua mais segura, promove o comércio e reduz a necessidade de construção de novas infraestruturas de transportes motorizados.

Longe de ser apenas um espaço para circulação de pessoas a pé, a calçada é o limite entre o espaço público e o privado. É nela onde são instalados os equipamentos públicos, como abrigos em pontos de ônibus, postes de luz, hidrantes, lixeiras e placas de sinalização.

Contudo, no Brasil, em oposto a outros países, enfrentamos a perspectiva de que a responsabilidade da manutenção do passeio é de responsabilidade do proprietário do terreno adjacente.

Bom para o poder público, que reduz seu papel e tem uma economia de custo ao transferir para a iniciativa privada parte da responsabilidade da gestão do espaço público.

Mas ruim para a cidade, pois a noção equivocada do que significa “espaço público” gera a ambiguidade de sentido de propriedade, fazendo com que alguns moradores e comerciantes tratem a calçada como “sua”, admoestando quem ali permaneça sem sua autorização ou ocupando-a de maneira irregular, como se propriedade particular fosse de fato.

As legislações municipais evasivas e ações imprevisíveis da autoridade administrativa são problemas que deverão ser enfrentados e debatidos algum dia, pois nenhuma narrativa deve subsistir acima da verdade, atropelando as evidências.

Controvérsias à parte, a mobilidade das pessoas e não dos veículos deve estar no centro da tomada de decisões e do planejamento de transportes.

As cidades devem priorizar a caminhada, os modais ativos e coletivos, o compartilhamento eficiente e toda sua interconectividade. Afinal, o futuro das cidades é multimodal e integrado.

Fernando Repinaldo é especialista em Administração Pública, Gestão de Projetos e Engenharia de Tráfego

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Meditação é de graça e fácil

Li outro dia uma coisa engraçada sobre a meditação, mas que traduz uma grande verdade: “Se correr o bicho pega; se ficar o bicho come; se meditar o bicho some”. Sim, o bicho some completamente …


Exclusivo
Tribuna Livre

O uso da geointeligência no combate ao crime

Nas últimas décadas, a humanidade vivencia grandes invenções tecnológicas. Sua constante necessidade de compreender e ocupar o meio em que vive a obriga ter novos conhecimentos a sua disposição. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Ionização negativa como cura e prevenção

Muitas pessoas não sabem, mas existe uma situação em que a palavra negativo se completa perfeitamente com a palavra positivo. Sim, quando falamos em íons negativos, que são partículas rápidas da …


Exclusivo
Tribuna Livre

Cidadania ativa é o caminho

O mundo está mudando, as pessoas já não aceitam mais ser espectadoras da cena política, o incômodo parece ser geral, corações e mentes em franco processo de transformação. Parece desordem, fim …


Exclusivo
Tribuna Livre

Donald Trump, Brexit e eleições municipais

Nós, brasileiros, vivenciamos nas últimas eleições nacionais uma guinada política. Sem qualquer juízo de valor, destaco apenas que foi possível verificar nas urnas uma escolha da substancial maioria …


Exclusivo
Tribuna Livre

Depressão, um problema que não podemos ignorar

Um alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que a depressão entre idosos lidera o ranking de novos diagnósticos. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou, por …


Exclusivo
Tribuna Livre

Menos cortes e mais cultura

A cultura faz parte da estrutura identitária de um povo. É o elo de pertencimento do indivíduo com a coletividade, e deve ser tratada como política pública, de matriz constitucional. Se depender …


Exclusivo
Tribuna Livre

O julgamento do Tribuna do Júri

O primeiro imperador do Brasil, D. Pedro I, instituiu, em 1822, o Tribunal do Júri no Brasil, com competência exclusiva para julgar os crimes de imprensa. No ano de 1824, outorgou a primeira …


Exclusivo
Tribuna Livre

Tecnologia e o trabalho humano entre operadores do Direito

Sou um advogado em meio a 1,1 milhão de outros advogados espalhados pelo Brasil, aproximadamente. Frente a isso, temos ainda as tecnologias, robôs e equipamentos eletrônicos que tendem a ocupar força …


Exclusivo
Tribuna Livre

Constelação sistêmica familiar como uma ferramenta de cura

A constelação sistêmica familiar, organizacional e jurídica é uma ferramenta de cura desenvolvida por Bert Hellinger, que viveu muitos anos na África com os índios da tribo Zulu, onde estudou padrões …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados