search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

É hora de evitar comentários desastrosos!

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

É hora de evitar comentários desastrosos!


Se teve um sentimento unânime na pandemia foi a insegurança: medo de perder o emprego, alguém querido ou a vida. Porém, algumas pessoas ainda precisam lidar com comentários sem noção e até ofensivos.

Frases como “Eu, hein! Por que seu filho não vai para a escola?”, “Você deu uma engordada, né?”, “Perdeu o emprego?” e “Seu casamento não resistiu ao coronavírus?” têm se tornado comum em comentários nas redes sociais e nas conversas do dia a dia.

Segundo especialistas consultadas pelo AT2, o confinamento e seus desdobramentos mexeram demais com as emoções das pessoas, sendo que muitas adoeceram física e psicologicamente. Por isso, o momento agora é de sensibilidade, empatia e acolhimento.

A psicóloga Daniela Generoso chama a atenção para esse tipo de cobrança.

“A quarentena não foi fácil para ninguém. Tivemos muitas perdas. Seja de um amigo e parente ou financeiras e emocionais. É preciso respeitar a dor do outro, pois, do contrário, você pode ser responsável por desencadear depressão ou até mesmo surto”, explica.

Para a psicóloga Giseli Miranda, por ter sido um período muito desgastante, assuntos como a vaidade deixaram de ser prioridade durante a pandemia, já que a prioridade é evitar o contágio.

E, nesta fase de flexibilizações da quarentena e reencontros, é importante ter uma postura mais positiva em relação ao outro. “É hora de acolher, perguntar como as pessoas estão se sentindo, se precisam de ajuda. Compartilhar situações vivenciadas e sugerir soluções para os problemas”, destaca Giseli.

A quem é vítima de situações assim, Daniela aconselha a aprender a filtrar o que é útil ou não.

“Todos os dias, sofremos com estímulos negativos, seja de um colega, TV ou rede social, e nos condicionamos ao que o outro acha que é correto. Mas é importante se perguntar: 'Isso me faz bem?', 'Vai me trazer algum crescimento pessoal?', 'Como me sinto diante disso?' Assim, você pode separar o que deve levar para sua vida e o que precisa jogar no lixo”.

Pierla Hermes Malhame (Foto: Beto Morais/AT)
Pierla Hermes Malhame (Foto: Beto Morais/AT)


“Desagradáveis”


“Está se arrumando por quê? Nem vai sair de casa” e “Você é blogueira, né? Então, trabalha sentada, não tem do que reclamar” são alguns comentários que Pierla Hermes Malhame, 21, teve que lidar, nas redes sociais, durante o isolamento social.

Para ela, esse tipo de crítica, embora não seja bom em nenhum momento, se torna ainda pior durante a quarentena, por ser um período em que muitas pessoas estão fragilizadas.

“São comentários desagradáveis. A quarentena já é algo que deixa a gente frustrada por não poder sair. Então, preciso, ao menos, me cuidar para me sentir melhor”, diz.


“Desnecessários”


Wallace Cantarela (Foto: Divulgação)
Wallace Cantarela (Foto: Divulgação)
O farmacêutico Wallace Cantarela, 36, ouviu alguns comentários que ele considera “totalmente desnecessários”.

“Presenciei críticas do tipo: 'Você engordou, hein!', 'Para que usar máscara? Isso tudo é invenção'. Achei imprudente. As pessoas já estão com seu psicológico abalado, não precisam ser julgadas por cometerem algum exagero, como na alimentação, ou se agiram de forma diferente da maioria”, afirma.


“Dizem que é só uma gripe!”


A psicóloga Clislaine Oliveira, 27, não tem intenção de mandar os filhos Micael, 10, e Naila, 8, para a escola enquanto não sair a vacina. E já presenciou críticas por isso. “Algumas mães dizem que é só uma gripe!”, conta.

Clislaine Oliveira e os filhos  (Foto: Acervo pessoal )
Clislaine Oliveira e os filhos (Foto: Acervo pessoal )


Que tal evitar essas frases?


1 - “Você pegou covid? Chega pra lá!”

  • Após se recuperar da Covid-19, uma pessoa pode se aproximar de outra seguindo as normas de segurança. Olha o preconceito!

2 - “Seu casamento não sobreviveu à quarentena?”

  • Ninguém casa pensando em se separar, então não se deve fazer piadas sobre esse momento.

3 - “Você perdeu o emprego?”

  • Este já é um momento delicado e um problema pessoal, então, se você não for ajudar, não deve se manifestar.

4 - “Seu filho não vai pra escola? Que bobagem!”

  • Enquanto não houver vacinação, o risco de pegar coronavírus continua. Por isso, nada de criticar pais que preferem esperar pela vacina.

5 - “Você ficou deprimido (a) por causa da pandemia?”

  • A depressão é uma doença séria. Em vez de criticar, que tal ajudar a pessoa a superar essa fase?

6 - “Você deu uma engordada, né?”

  • Falar sobre o peso de alguém não é indicado em nenhuma época, ainda mais em um período complicado como a quarentena. O corpo alheio não é território público. Ele não deve ser vítima de preconceitos disfarçados, como gordofobia. Lembre-se: um elogio é sempre bem-vindo!

7 - “Você Ficou bem melhor mais magro (a)!”

  • Assim como não é nada gentil dizer que a pessoa engordou, falar que ela está melhor magra pode ser uma tremenda gafe. Embora possa ser o desejo de muita gente perder uns quilinhos, muitos podem ter emagrecido por problemas emocionais.

8 - “Não vai voltar para a academia?”

  • Quem seguiu as recomendações para ficar em casa, provavelmente, ficou meses sem se exercitar. Logo, a maioria das pessoas ganhou peso ou perdeu massa muscular, o que afeta a autoestima. Procure não criticar!

9 - “Você está com uma cara de desânimo!”

  • A situação mexeu muito com as emoções. Por isso, é comum que muita gente esteja desanimada com a quarentena. Ficar mexendo na ferida pode deixar a pessoa ainda pior.

10 - “Estou administrando superbem minha rotina em casa”

  • Muitas pessoas vêm enfrentando dificuldades em manter uma rotina em casa. Cada um tem uma realidade diferente, por isso não é hora de se exaltar ou se gabar. Tenha empatia!

11 - “Estou com saudade! Vem aqui me dar um abraço”

  • A saudade aperta, mas a pandemia ainda não passou. Deve ser mantido o distanciamento social.

12 - “Não faça drama!” ou “Não é para tanto...”

  • Tente não minimizar o sofrimento do outro. Exercite sempre a empatia.

Fonte: Psicólogas Giseli Miranda e Daniela Generoso.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados