search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Duas semanas após tragédia em tirolesa, morte de engenheiro ainda não foi esclarecida

Notícias

Publicidade | Anuncie

Polícia

Duas semanas após tragédia em tirolesa, morte de engenheiro ainda não foi esclarecida


Duas semanas após o acidente na tirolesa do Morro do Moreno, em Vila Velha, que causou a morte do engenheiro João Paulo Sampaio dos Reis, 47 anos, o caso segue sob investigação.

O acidente aconteceu no último dia 1º de maio, quando João Paulo levou a filha adolescente e uma amiga dela para conhecerem o local. O engenheiro fazia uma descida, mas não conseguiu parar no final do percurso e caiu da tirolesa.

João Paulo Sampaio dos Reis, tinha47 anos. (Foto: Divulgação/Redes sociais)João Paulo Sampaio dos Reis, tinha47 anos. (Foto: Divulgação/Redes sociais)

Desde então, caso segue sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa de Vila Velha.

Por meio de nota a Polícia Civil informou que "ainda aguarda o resultado da perícia realizada no local. Detalhes não serão divulgados durante as investigações para preservar a apuração do incidente".

O farmacêutico Antônio Carlos da Silva Bueno, 45 anos, cunhado de João Paulo, comentou que a família está abalada com a perda, mas espera que as investigações sejam concluídas.

"A família continua muito abalada. Nunca esperávamos que isso pudesse acontecer. Meus sobrinhos, principalmente a filha que estava no local, estão tentando assimilar tudo que aconteceu", lamentou.

Um dos sócios da empresa Eco Vertical, responsável pela tirolesa, conversou com a reportagem e afirmou que medidas para aumentar a segurança no local estão sendo estudadas.

"Estamos aguardando a conclusão da perícia e do inquérito para tomar medidas para aumentar a segurança na tirolesa para voltar a funcionar", comentou Alex.

A reportagem entrou em contato com o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (CREA-ES), que informou que as investigações sobre o caso seguem sob sigilo e que um laudo ainda será divulgado.