search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Duas pandemias: Covid-19 e obesidade
Tribuna Livre

Duas pandemias: Covid-19 e obesidade

Desde que a OMS classificou a Covid-19 como uma pandemia, a população vivencia mudanças na vida e na comunicação sobre saúde. Medidas de isolamento social para conter o avanço da doença foram necessárias.

Dados epidemiológicos, como prevenir a infecção pelo novo coronavírus, quais os principais sintomas, quando procurar assistência de saúde estão em jornais, mídias sociais, sites e coletivas de imprensa de gestores do governo.

As informações visam reduzir o risco de infecção por mudanças de hábitos, como lavagem das mãos, uso de álcool em gel, redução da aglomeração de pessoas e desinfecção de superfícies.

E informam os grupos de risco para o desenvolvimento da forma grave da doença, que são idosos, portadores de doenças cardíacas, hipertensos, dependentes de oxigênio, portadores de asma e DPOC, imunodeprimidos, doentes renais, diabéticos e gestantes.

Mais recentemente, a obesidade aparece como principal fator de risco em indivíduos com menos de 60 anos.

Emerge, nesse cenário, uma reflexão sobre outra pandemia, a da obesidade, que, em alguns aspectos, se assemelha à atual pandemia: por matar milhares de pessoas, ser evitável por mudanças de hábitos de vida e ter como maior arma para seu combate a educação em saúde.

No Brasil, estima-se que 30% da população esteja acima do peso. A OMS aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. A projeção é que, em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos estejam com sobrepeso e 700 milhões de obesos no mundo.

Algumas doenças associadas à obesidade, como infarto, AVC, doenças renais crônicas e diabetes matam, por ano, mais de 400 mil pessoas no Brasil. No entanto, não vemos políticas eficientes para redução dessas mortes e agravos. Principalmente, porque a obesidade ainda é vista, por muitos, como um problema comportamental e não como uma doença.

A obesidade é uma doença e pode ser tratada por mudanças alimentares e de exercício físico. Alimentar-se de comida de verdade e reduzir o consumo de açúcares reduz o risco de adoecimento relacionado à obesidade.

A rotulação de alimentos do Brasil, por exemplo, é ineficaz para chamar a atenção da população sobre a composição dos alimentos e seu risco à saúde. Mesmo alimentos ultraprocessados podem fazer alusão a hábitos saudáveis e ter em suas embalagens personagens de desenhos infantis.

Então, devemos cobrar empenho de nossos gestores para prevenção de mortes relacionadas à obesidade e seus agravos. Se podemos aprender a lavar as mãos e novas regras de convívio social, também podemos aprender a nos alimentar melhor e nos exercitar. E não depende somente de cada um, as políticas públicas são primordiais para esse processo.

LORENA BARROS FURIERI é enfermeira, doutora em Ciências Fisiológicas, e professora da Ufes.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

Motivação no isolamento torna a rotina menos estressante

Diante de uma pandemia e do isolamento social, pessoas com rotinas agitadas foram de repente obrigadas a desacelerar. Ganharam mais tempo com a família, aumentaram os afazeres de casa, tiveram seus …


Exclusivo
Tribuna Livre

Congresso tem mais funcionários do que 48 municípios do Estado

O Congresso Nacional aprovou e já está em pleno vigor a Lei Complementar nº 173, de 27 de maio de 2020, que trata da ajuda financeira a estados e municípios e estabelece o “Programa Federativo de …


Exclusivo
Tribuna Livre

Desafios da educação após a pandemia do novo coronavírus

Estudos recentes, como em Todos pela Educação (05/2020), mostram que os desafios com que se defrontarão gestores e profissionais da Educação quando do retorno das aulas presenciais são de tal …


Exclusivo
Tribuna Livre

A digitalização dos planos de saúde acelerada pela pandemia

Grandes desafios podem provocar grandes revoluções. A necessidade de superar adversidades leva a humanidade a repensar hábitos e valores e a usar todo o seu potencial de criação. Nestes tempos …


Exclusivo
Tribuna Livre

A importância da Lei da Fauna capixaba em tempos de Covid

Em dezembro de 2019, foi sancionada a Lei Estadual de Proteção à Fauna que, dentre outros assuntos, cuida da prevenção de doenças advindas da relação humana com os animais, alertando sobre o perigo …


Exclusivo
Tribuna Livre

Relacionamentos abusivos mais evidentes durante a pandemia

É significativo o aumento de casos de violência doméstica durante o isolamento social. Mas, infelizmente, a pandemia apenas traz à tona questões já presentes. É num momento de excesso ou modificação …


Exclusivo
Tribuna Livre

Peste, indiferença e luta

Quando a peste resolve sair de seu recôndito esconderijo e assombrar a humanidade, o desespero e a indiferença vêm na bagagem. Desespero porque, por mais pestes e guerras que já tenham havido na …


Exclusivo
Tribuna Livre

Racismo no Brasil não gera a mesma repercussão que nos EUA

Os casos no Brasil ligados a crimes de racismo não geram a mesma repercussão que há nos Estados Unidos e para isso há razões muito específicas que justificam a banalização da violência racial no …


Exclusivo
Tribuna Livre

Quem paga pensão tem o direito de saber como valores são gastos

Alicerçando-se nos princípios constitucionais da proteção integral da criança e do adolescente e da dignidade da pessoa humana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) modificou entendimento até então …


Exclusivo
Tribuna Livre

Profissões em alta na pandemia influenciam mercado de estágio

A pandemia do coronavírus desestruturou o mercado de trabalho. Além do aumento do desemprego, que subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril deste ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados