search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Doença como forma de protesto
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a esposa interferiu, demonstrando uma dor muda embutida na sua eloquência. Fale-me de seu padecimento, perguntei ao senhor Alvarenga.

“Pois bem”, ele iniciou. “Eu sofro de úlcera duodenal há oito anos. Passo semanas com azia, náuseas e, principalmente, uma dor que rói meu estômago. Sinto melhorar quando bebo leite, embora perceba de que seu efeito seja apenas paliativo.”

Interrompendo Seu Alvarenga, afirmei que o leite contém proteína e cálcio, dois estimuladores do ácido existente no estômago. Por isso, ele provoca um alívio imediato, mas os sintomas voltam a incomodar, depois de certo tempo.

“Eu entendo”, ele concordou. “Mas acho que essa úlcera tem relação com o meu emocional. Vivo dizendo para Leocádia não me aborrecer. Quando ela me irrita, a úlcera volta a me incomodar.”

Nesse momento, a esposa entrou na conversa, afirmando que o marido era dengoso, infantil e dependente. “Este cidadão acorda durante a madrugada, senta-se na cama e começa a reclamar, sem parar. Eu levanto, vou até a geladeira, pego um copo de leite, dou para ele tomar e fico ouvindo seus resmungos, até ele melhorar e dormir novamente.”

Embora percebendo o constrangimento de Seu Alvarenga, tive de concordar, lembrando que essa doença já foi chamada de “úlcera nervosa”.

Alguns ulcerosos apresentam perfil dependente e infantil. Qual é o ser que acorda de madrugada, começa a chorar, mama, recebe atenção e volta a dormir?

Qual é o ser que acorda no meio da noite, começa a reclamar, toma leite, recebe atenção da esposa e volta a dormir? O comportamento do ulceroso lembra aquele de uma criança.

Voltando para o caso de Seu Alvarenga, terminei de examiná-lo, solicitei endoscopia digestiva e prescrevi inibidores do ácido clorídrico.

Mal eu acabei de avaliar Seu Alvarenga, Dona Leocádia chamou toda atenção para si, afirmando que sofria de enxaqueca há quase tanto tempo quanto o esposo padecia de úlcera. “Eu não passo uma semana sem ter dor de cabeça, reforçou. Bastou me aborrecer e lá vem tonteira, enjoo, dormência, intolerância à luz e ao barulho. A causa dos meus aborrecimentos atende pelo nome de Alvarenga”, disse ela, alfinetando o marido.

A enxaqueca também guarda relação com estresse, lembrei. Em ambas as patologias o desajuste emocional serve de gatilho para ativar as crises.

Na úlcera péptica, o ácido clorídrico aumenta quando a substância adrenalina é despejada no sangue.

Na enxaqueca, a pressão no crânio aumenta quando a serotonina invade os vasos cerebrais. Essas duas substâncias são denominadas neurotransmissoras e participam no controle das emoções humanas.

Terminei a consulta encaminhando Dona Leocádia para um neurologista e sugeri que ela e Seu Alvarenga fumassem o cachimbo da paz.

Brigas são nocivas quando adoecemos com elas.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados