search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Dicionário do amor online: conheça as palavras mais usadas na web

Entretenimento

Publicidade | Anuncie

Entretenimento

Dicionário do amor online: conheça as palavras mais usadas na web


Quem curte paquera virtual, seja por aplicativo ou redes sociais, já se deparou com alguns comportamentos bem comuns entre os usuários como “whelming”, “zombieing” ou “benching”. Mas você sabe o que significam esses termos?

Essas expressões inglesas fazem parte do dicionário do amor online dos jovens. Segundo a coach e especialista em relacionamento amoroso Luiza Vono, nem todas possuem uma tradução literal, embora estejam sendo absorvidas pela cultura brasileira. Além disso, muitos desses vocábulos são bem conhecidos por quem se arrisca na vida amorosa.

“Por exemplo, o ghosting resume o famoso 'ele sumiu, e agora?', enquanto o zumping é uma versão atualizada do 'ele terminou comigo por mensagem' e o glamboozling é o terrível e nada esperado 'bolo virtual' em um encontro amoroso”, explica.

Embora várias dessas situações tenham se tornado comuns no dia a dia, Luiza e Mauricio Sita, mestre em Psicanálise Clínica, ressaltam que essas práticas são mais comuns entre os homens. Mas, para a coach, não importa o sexo, ambos precisam ter responsabilidade emocional.

“Não deveria haver diferença entre relacionamento presencial e virtual, pois estamos falando de seres humanos que possuem sentimentos e merecem respeito”, ressalta Luiza.

Quarentena

Mauricio Sita destaca que o relacionamento virtual é mais “livre e transitório” e, por isso, há menos compromisso. E isso aumentou muito com o isolamento social causado pelo coronavírus. No entanto, embora o romantismo não esteja mais tanto em alta, ele salienta que as relações continuarão a mudar com o passar os anos.

“No mundo virtual, tudo pode começar ou terminar com um clique. As pessoas passaram a ter medo de estabelecer vínculos sérios e duradouros. Mas as mudanças, para o bem ou para o mal, continuarão acontecendo”, afirma.


“Respondo só a quem me interessa”

A estudante de Odontologia Daniely Souza de Miranda, 19, revelou que foi alvo de comportamentos como ghosting (desaparecer) e snooping (bisbilhotar as redes sociais). “A maioria das pessoas é assim. Não tenho paciência para ficar conversando online. Me interesso mais quando conheço pessoalmente. É mais natural”, diz.

Sobre snooping, conta que é comum receber, no Instagram, curtidas e comentários de homens que ela não conhece. “Respondo só a quem me interessa, a quem eu vejo que tem papo bacana”.

Estudante de Odontologia Daniely Souza de Miranda, 19 (Foto: Beto Morais / AT)
Estudante de Odontologia Daniely Souza de Miranda, 19 (Foto: Beto Morais / AT)


Fique por dentro


Benching
O termo em inglês se refere a banco de reserva. Segundo a especialista em relacionamentos Luiza Vono, “é demarcação de território por alguém que não quer investir na relação, mas não quer abandoná-la, fazendo o outro ficar preso em uma história que não desenrola”.

Breadcrumbing
Deixar “migalhas de pão”. São pequenas demonstrações de atenção que não indicam se algo vai acontecer ou não.

Fleabagging
O termo significa “saco de pulgas”. É quando se aceita sair com alguém que não curte só por questão de carência ou para mostrar que não está sozinho (a).

Gatsbying
É quando o usuário publica fotos e comentários nas redes sociais fingindo ser para todos, mas são direcionados para alguém específico.

Haunting
É o famoso “oi, sumida (o)”, quando um (a) ex paquera reaparece de repente, puxando assunto.

Kittenfishing
Consiste em se mostrar diferente do que é para atrair a atenção do paquera, seja por meio de alterações na imagem, como usando Photoshop, ou mesmo fingindo gostar de algo que despreza.

Negging
Prática considerada cruel. Consiste em elogiar alguém, mas querendo insultá-la ou desestabilizá-la emocionalmente. Tipo: “Você tem um rosto muito bonito” ou “Não me importo que seus dentes sejam tortos”.

Obligaswiping
Atitude comum, principalmente entre mulheres. As pessoas criam perfis nos aplicativos de namoro, mas não pretendem se encontrar pessoalmente.

Orbiting
O “match” deixa de respondera mensagens e telefones, mas continua vendo e curtindo fotos e publicações do outro.

Pocketing
Colocar “no bolso”. É uma forma de evitar ou não assumir a relação com o outro virtualmente. Pode até tirar foto com crush, mas não publica, não marca ou até corta da fotografia.

Snooping
É bisbilhotar a vida da outra pessoa por meio do Google e das redes sociais. Prática muito comum entre os usuários que buscam conhecer mais a outra pessoa antes de investir num relacionamento.

Whelming
Deriva do adjetivo inglês overwhelmed, que significa sobrecarregado(a). É quando a pessoa se gaba para a outra dizendo como sua vida amorosa e social está agitada. Geralmente isso revela insegurança pessoal.

Zombieing
Retorno de pessoa que some e retoma flerte como se nada tivesse acontecido.

Zumping
A mistura de zoom e dumping é o término da relação por videochamada ou mensagem, muitas vezes sem que o outro espere por aquilo.

Fonte: Especialistas consultados.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados