X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Síndica de condomínio sofre impeachment após moradores suspeitarem de golpe

| 12/08/2021 14:30 h

Imagem ilustrativa da imagem Síndica de condomínio sofre impeachment após moradores suspeitarem de golpe

Uma moradora de um condomínio em Praia Grande, no litoral de SP, acusou a síndica do local de falsificar documentos para concentrar poder e decidir tudo sozinha. O caso foi parar na polícia de Praia Grande na segunda-feira (10).

Em depoimento, a moradora, uma advogada de 55 anos, afirmou que há uma semana, na manhã do último dia 3, os residentes do condomínio Bracuhy, no bairro Vila Guilhermina, desconfiaram da síndica durante uma reunião de condomínio. A síndica, uma mulher de 59 anos, afirma a moradora, apareceu na reunião com 29 procurações obtidas de forma duvidosa, num condomínio com 56 unidades.

O número de procurações, observou a advogada, daria à síndica plenos poderes para aprovar contas, se autoeleger, e se autodeterminar em decisões que não atendem ao interesse da maioria.

Segundo a moradora, as procurações duvidosas em poder da síndica geraram tumulto e revolta por parte da maioria dos condôminos durante a reunião. Consequentemente, durante a assembleia, a maioria esmagadora dos presentes decidiu que as procurações seriam limitadas a uma por unidade condominial, desta forma se daria maior transparência ao pleito.

Além disso, a síndica sob suspeita sofreu um surpreendente impeachment. Durante a mesma reunião, os moradores expressaram vontade quase unânime de exonerar a síndica suspeita e optaram pela contratação de um síndico profissional para substituí-la em menos de dois meses.

A história, porém, não acaba por aí, pois a síndica, relatou a moradora, tinha uma carta na manga, ao que parece, inspirada em um certo governante brasileiro. Desmascarada e destituída, a mulher falsificou a ata da reunião em benefício próprio, e a registrou em um cartório da cidade, afirmou a moradora na denúncia.

Uma semana depois, a moradora procurou o 2º DP de Praia Grande e denunciou a síndica que pode responder por falsificação.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS