search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Desafios da dança no poste nas ruas de Guarapari

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

Desafios da dança no poste nas ruas de Guarapari


Isadora mostra as suas habilidades no calçadão, no centro da cidade (Foto: Roberta Bourguignon / AT)
Isadora mostra as suas habilidades no calçadão, no centro da cidade (Foto: Roberta Bourguignon / AT)

Uma modalidade de pole dance (dança no poste) invadiu as ruas de Guarapari há alguns meses e chama a atenção de quem admira a dança. É que a bailarina e professora de balé e pole dance Isadora Guimarães Carneiro, de 23 anos, decidiu usar os postes públicos para a prática ousada.

Também fotógrafa, a jovem conta que é caminhando pela cidade que visualiza os melhores lugares para demonstrar sua técnica e fazer uma foto.

Foi durante um ensaio no novo canal de Guarapari que ela resolveu fazer uma pose de pole
“Fui fotografar uma modelo e eu gosto muito de aproveitar os recursos naturais, urbanos. Não sou muito fã de fotos em estúdio. Gosto de aproveitar, porque nossa cidade é linda. Acho que tem muitos lugares de Guarapari em que as pessoas ainda não enxergaram como grande potencial”, explica a professora.

Isadora entrou no mundo da dança bem novinha, aos 5 anos de idade, por causa de um problema no ligamento da perna. “Foi por indicação médica que eu comecei a fazer balé, aos 5 anos. Meu problema na perna foi diagnosticado aos 3 anos, pois eu andava tropeçando”, contou Isadora.

“Primeiro, o médico sugeriu que eu usasse uma bota ortopédica por dois anos. Por ser uma fase de crescimento, minha mãe decidiu trocar de médicos, e tivemos essa indicação de fazer balé”, relatou ainda. “No começo, eu nem gostava, mas depois fui pegando gosto pela dança, me destacando, o que me motivou a continuar”, completou a bailarina.

Foram 12 anos de balé, o que deu base para que Isadora iniciasse o pole dance, uma forma de dança e ginástica.

Na ocasião, com 21 anos de idade, a professora ainda não tinha muita ideia de como era o pole dance, por não ser uma modalidade tão conhecida. “Eu vi um vídeo de uma pole dance e fiquei admirada. Decidi que, se tivesse oportunidade, iria fazer”, comentou.

Isadora contou que conheceu a prática em Vila Velha, se encantou e decidiu se tornar professora.
“Desde o primeiro contato com a barra, me senti no meu lugar. Não parei mais. Não é tão clássico quanto o balé, mas eu também não sou tão clássica. Para mim, foi a junção perfeita de vários estilos”, salientou.

“O pole não tem limites, não tem paradigmas. Eu posso incluir o balé e todos os meus conhecimentos. Me encantei justamente por essa versatilidade”, destacou.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados