search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Decisão pode atrasar obras de nova ferrovia no Estado

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Decisão pode atrasar obras de nova ferrovia no Estado


Trem na Vitória a Minas: renovação antecipada para a Vale em troca do investimento provocou reação do TCU (Foto: Divulgação)
Trem na Vitória a Minas: renovação antecipada para a Vale em troca do investimento provocou reação do TCU (Foto: Divulgação)

Um parecer desfavorável do Tribunal de Contas da União (TCU) para a antecipação da renovação da concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) para a Vale poderá atrasar a construção da ferrovia Vitória-Rio de Janeiro.

O empreendimento, previsto para ser iniciado entre o fim do ano que vem e o início de 2022, tem expectativa de criar 1.800 empregos diretos durante a sua primeira fase, que compreende um trecho que 72 quilômetros entre Cariacica e Anchieta. Ao todo, a ferrovia terá 577 quilômetros.

A obra tem o seu projeto de engenharia de toda a malha férrea e a execução do trecho como contrapartidas da Vale para a renovação da concessão, que termina em 2026, por mais 30 anos.

O parecer do TCU aponta “graves irregularidades e falhas metodológicas” no contrato de renovação, criando a “impossibilidade de manifestar-se favoravelmente ao prosseguimento da presente proposta de prorrogação antecipada do contrato de concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas”.

Em nota, o TCU afirmou que não comentaria o despacho. O comunicado informa ainda que não há previsão de julgamento.

No ano passado, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, afirmou que acreditava que a obra pudesse começar entre o fim de 2021 e o início de 2022. No entanto, a pasta agora não garante que esse cronograma será cumprido.

Em nota, o Ministério da Infraestrutura afirma que “mantém diálogo permanente com o Tribunal de Contas da União (TCU)”, e que “já foram prestados os esclarecimentos adicionais acerca dos estudos submetidos ao TCU e serão feitos os ajustes necessários para o andamento do processo”.

Já a Vale afirma em nota que “segue acompanhando o processo de renovação antecipada de suas ferrovias, cujos estudos técnicos e documentos jurídicos estão, atualmente, em análise no Tribunal de Contas da União, e aguarda o fim do processo na esfera pública para submeter a proposta, com as contrapartidas requeridas, ao seu Conselho de Administração”.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Leonardo de Castro, a ferrovia é um dos projetos mais relevantes na agenda de infraestrutura do Estado.
“É uma obra estruturante, de investimento grande. Uma conexão de vai criar muitas oportunidades de negócio”.

Já o governador Renato Casagrande afirmou em nota que já conversou ontem com membros da bancada federal capixaba para pedir auxílio nesta questão.


Primeiro trecho com 72 quilômetros


Ferrovia EF 118

  • A Vale tem a concessão da ferrovia Vitória a Minas (EFVM) até 2026, e tenta antecipar a renovação do contrato por mais 30 anos. Ao invés de pagar a outorga, a empresa se compromete a fazer investimentos, como melhorias na EFVM e a construção de novas malhas, como a EF 118.
  • A ferrovia ligará a Grande Vitória ao Rio de Janeiro, passando por 10 cidades capixabas: Anchieta, Guarapari, Vila Velha, Viana, Cariacica, Presidente Kennedy, Itapemirim, Rio Novo do Sul, Piúma e Iconha.
  • O traçado deve ter 577 quilômetros. O ramal entre Cariacica e Anchieta terá 72 quilometros e está orçada em R$ 3 bilhões. A construção desse trecho deve durar 4 anos.
  • Além do minério da Vale, a ferrovia seria usada para transportar outros produtos, conectando os portos de Ubu (administrado pela Samarco), Central e do Açu (no Rio).

Parecer do TCU

  • O TCU conclui que foram constatadas “irregularidades e falhas metodológicas graves nos estudos da prorrogação antecipada da EFVM”.
  • Um dos questionamentos diz respeito à metodologia para definição da tarifa de transportes de cargas.

Fonte: TCU, Vale e Min. da Infraestrutura.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados