search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

De meditação a sexo nas lives
Claudia Matarazzo
Claudia Matarazzo

Claudia Matarazzo


De meditação a sexo nas lives

Você entraria em uma web suruba? Pagaria para entrar? Confiaria no anonimato da organização?

Se ficou perplexo com a possibilidade, saiba que não está sozinho. Mas não apenas as web surubas parecem ser perfeitamente afinadas a um público significativo, como vieram para ficar, assim como outras modalidades ao vivo em lives e reuniões virtuais.

Se há um segmento/mercado que floresceu durante a pandemia, o das comunicações virtuais é um deles.

As lives, que existiam discretas e segmentadas se democratizaram para valer: todos podem ser anfitriões, entrevistar quem quiser e, principalmente, apresentar seus talentos, projetos e conteúdo a um público que, em tese, é ilimitado.

Cardápio virtual – Podem ser encontros musicais; culinários; zen, com meditação passo a passo; médico-científicos; eróticos; intelectualizados, de humor.

Além do Instagram – Rapidamente, outros formatos se popularizaram: temos Zoom, Facebook, etc. Vale tudo, desde que a conexão esteja boa e o anfitrião não perca o timing.

Sim, pois, tão fácil quanto entrar em uma live, é sair dela! Tá chato? Procura outra. É como zapear canal no controle de TV.

Ao vivo e de graça – No início, eram todas gratuitas, mas, aos poucos, os artistas, abandonados pela Secretaria da Cultura e nunca prestigiados por este governo, começaram a se organizar.

Os grandes nomes não tiveram dificuldade em encontrar apoio e patrocínio, mas a maioria dos artistas – de circo, pequenos teatros e clubes noturnos –, os talentos anônimos que tecem a trama da alegria em nosso dia a dia, continuam a sofrer com a falta de bilheteria.

Chapeuzinho Virtual – É a bilheteria virtual das lives que permite ao público pagar pelo que assiste.Quem gostou, paga. Alguns artistas já colocam o sistema de pagamento em link com seu perfil para que o espectador possa remunerá-lo, nem que seja com um valor de gorjeta.

As vantagens – Em uma live, podem entrar mais pessoas do que em alguns teatros (em média, com 100 a 200 lugares). Então, a bilheteria, dependendo da apreciação do público, pode ser consistente.
Muitos performers arrecadam, pelo menos, 50% do que ganhavam antes. Ainda é pouco, mas melhor do que esperar algum programa social que, se vier, será como esmola.

Vários pontos positivos – O alcance mais democrático, o conteúdo variado, a distração e o divertimento são grandes vantagens dessa profusão de encontros, mas, de verdade, o que me encanta é perceber que, aos poucos, o público se organiza para prestigiar seus artistas – sejam quem forem.

Cada um procura e valoriza seus preferidos e há uma natural organização por parte da sociedade em um movimento solidário jamais visto!

Pagam sim, e por que não? – É lindo ver que contribuem como podem, mostrando que o alimento da alma é tão ou mais importante que o das prateleiras de supermercados.

É a arte, em suas múltiplas formas, mais do que nunca rompendo fronteiras, alcançando corações e conquistando seu espaço – magnífico e imortal –, apesar da boçalidade reinante.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Aprendendo com as gafes de uma anfitriã

Se alguém acha que, por amar uma mesa bonita e boa comida, eu nunca erro ao receber em casa, engana-se muito! Momentos em diferentes fases da vida são prova de que estamos sempre aprendendo e que os …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Bons motivos para aprender a cozinhar

Neste momento de pandemia, entre os muitos talentos ocultos que acabaram aflorando está o de cozinhar e saborear quitutes antes impensáveis. Nasceu uma nova geração de gourmets e gourmands. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Danem-se artistas e músicos!

Sabem quem foi Victor Herbert? Eu não sabia até me deparar com a coluna de Ruy Castro, que, sei, me permite reproduzir aqui parte dela. Victor Herbert foi um compositor (1859 a 1924) que …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Sustentabilidade, qualidade e muita liberdade na moda!

Venho de uma família de privilegiados que sempre tiveram acesso à qualidade: em roupas, viagens, comida, objetos de decoração, etc. Com isso, as roupas e objetos passaram por gerações: Simmmmm! …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Hora de fazer carinho, cafuné e de amar muito a si mesmo

Está sentindo falta do contato físico? Vamos aprender a não depender dos outros para isso. Falo de amar a si mesmo – não no sentido de autoestima, mas naquele do apreço por você mesmo/a de verdade. …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Mais de 100 mil mortes por Covid-19 – desculpa, aí!

O Presidente inominável vive a pedir desculpas: diariamente, é obrigado (provavelmente, aconselhado fortemente por algum assecla) a vir à frente das câmeras, sempre ao lado de sua claque de apoiadore…


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Um futuro nem tão ambicioso

Vamos falar do futuro. O futuro que, agora percebemos, foi subitamente sabotado – e está, neste exato momento, sendo repensado, ressignificado, reinventado, e uma porção de outros “res” que nos …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Lições da pandemia

Não vamos falar da finitude, de nossos medos, nem da angústia de ver nossas vidas em risco graças ao total despreparo, da boçalidade e pura teimosia dos titulares de nosso “desgoverno” – que poderiam …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Novo momento, novos horários

Vivemos um novo momento trazido pela pandemia de Covid-19: home office, cursos a distância e reuniões agora fazem parte do nosso dia a dia. Se em casa economizamos preciosas duas horas por dia (que …


Exclusivo
Claudia Matarazzo

Eliminar para iluminar

A frase é da jornalista da Lilian Pacce e foi dita em uma fala sua ao se referir ao desapego. Nessa pandemia, percebemos que é muito, muito mais importante SER do que TER. Ser saudável, ser …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados