X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Unicef pede que escolas estejam abertas: "Sem desculpas

Declaração foi feita nesta quinta-feira (27)

Redação Tribuna Online, com informações da CNN Brasil | 28/01/2022 15:14 h

Unicef pede que escolas estejam abertas: "Sem desculpas
Unicef pede que escolas estejam abertas: "Sem desculpas |  Foto: Úrsula Ribeiro
  

A diretora-executiva do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Henrietta Fore, fez uma declaração nesta quinta-feira (27), em defesa da abertura de escolas pelo mundo. Em pronunciamento, a  diretora disse não haver desculpas para que as escolas não estejam abertas. 

De acordo com as informações no site da CNN Brasil, no pronunciamento a diretora da entidade informou que estima-se que atualmente  616 milhões de crianças estejam afetadas pelos fechamentos total ou parcial das instituições de ensino.

Henrietta destacou que os governos devem priorizar a recuperação da educação e pediu apoio aos mais pobres. “Precisamos de ações ousadas para permitir que todas as crianças voltem à escola. Isso inclui fornecer apoio abrangente com foco particular em crianças vulneráveis em cada comunidade, como aulas de recuperação, apoio à saúde mental e à nutrição, proteção e outros serviços essenciais.”

Em seu pronunciamento, ela defendeu que os governos vacinem funcionários de escolas imediatamente. “Professores e funcionários de escolas devem ser totalmente apoiados e ter prioridade para receber as vacinas contra a Covid-19, uma vez que os profissionais de saúde da linha de frente e as populações de alto risco sejam vacinados”, declarou.

Em sua fala a diretora também pediu que os governos não façam da vacinação de crianças um pré-requisito para o ensino presencial. “Ao se condicionar o acesso à educação presencial à vacinação contra a Covid-19, corre-se o risco de negar às crianças o acesso à educação e aumentar as desigualdades”.

Confira o pronunciamento na íntegra :

Declaração da diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, em 27 janeiro 2022

“À medida que a variante Ômicron da Covid-19 continua a se espalhar por todo o mundo, pedimos aos governos que façam tudo o que estiver ao seu alcance para impedir que a educação das crianças seja interrompida ainda mais.

Para evitar uma catástrofe do ensino e colocar as crianças de volta no caminho do aprendizado, o Unicef recomenda o seguinte:

Manter as escolas abertas. Estima-se que 616 milhões de crianças estejam atualmente afetadas pelo fechamento total ou parcial das escolas. Sabemos que as medidas de mitigação ajudam a manter as escolas abertas. Também sabemos que os investimentos em conectividade digital podem ajudar a garantir que nenhuma criança seja deixada para trás. Precisamos de ações ousadas para permitir que todas as crianças voltem à escola. Isso inclui fornecer apoio abrangente com foco particular em crianças vulneráveis em cada comunidade, como aulas de recuperação, apoio à saúde mental e à nutrição, proteção e outros serviços essenciais.

Vacinar professores e funcionários de escolas imediatamente. Professores e funcionários de escolas devem ser totalmente apoiados e ter prioridade para receber as vacinas contra a Covid-19, uma vez que os profissionais de saúde da linha de frente e as populações de alto risco sejam vacinados.

O Unicef apoia a vacinação de crianças assim que as vacinas estiverem disponíveis para elas e quando os grupos prioritários estiverem totalmente protegidos. Não façam da vacinação um pré-requisito para o ensino presencial. Ao se condicionar o acesso à educação presencial à vacinação contra a Covid-19, corre-se o risco de negar às crianças o acesso à educação e aumentar as desigualdades. Em consonância com as recomendações da OMS, o Unicef recomenda manter as escolas abertas e garantir que as estratégias de controle da Covid-19 dos países facilitem a participação das crianças na educação e em outros aspectos da vida social, mesmo sem a vacinação de crianças e adolescentes.

Em condições de crise, sempre há decisões difíceis, e reconhecemos os desafios sem precedentes que a pandemia de Covid-19 está criando para os sistemas escolares em todo o mundo. Mas as apostas são muito altas. Devemos fazer coletivamente tudo o que pudermos para manter as crianças na escola.”

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS