X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

STJ cassa liminar que limitava atuação do MPF sobre Covid-19 no Estado

| 19/06/2020 10:23 h | Atualizado em 19/06/2020, 11:41

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Francisco Falcão cassou, na quinta-feira (18), a liminar da Justiça do Espírito Santo que determinava o trancamento de ações do Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES) sobre a Covid-19 no Estado.

De acordo com o MPF, “pela decisão, os autos do processo analisado pela Justiça Estadual devem ser remetidos à 4ª Vara Federal Cível de Vitória”.

Por meio de nota, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) informou que "ainda não foi oficialmente notificada. No entanto, adianta que vai recorrer da decisão no STJ, bem como atuará junto à Justiça Federal para garantir a manutenção da liminar anterior”. 

Entenda o caso

No dia 10, o juiz Ubirajara Paixão Pinheiro, da 5ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória, trancou ações do Ministério Público Federal (MPF) contra o Estado. O governo alega que o MPF está interferindo indevidamente nas políticas públicas de combate à pandemia do coronavírus.

Profissional com equipamentos no combate ao covid-19
Profissional com equipamentos no combate ao covid-19 |  Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O Ministério Público notificou o governo para adotar providências, como mudanças de critérios da matriz de risco. O governo, então, entrou com ação na Justiça Estadual contra a notificação do MPF.

O Estado obteve decisão favorável do plantão judiciário do dia 6. Depois, obteve uma decisão do juiz titular do caso, “trancando” o procedimento do Ministério Público.

Segundo a decisão do magistrado, o MPF instaurou um procedimento administrativo e expediu uma recomendação “a qual recomenda que o Estado do Espírito Santo deveria incluir a ‘a taxa de transmissão do vírus da Covid-19 na Matriz de Risco Ampliada do Espírito Santo’”.

O Estado alega que “a citada recomendação não possui qualquer respaldo técnico ou científico”.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS