X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pai de aluno entrou com ação que liberou volta às aulas: "Confio na Justiça"

| 20/04/2021 19:24 h | Atualizado em 20/04/2021, 21:54

Uma decisão liminar da Justiça, nesta terça-feira (20), determinou o retorno das aulas presenciais nas escolas públicas e particulares do Espírito Santo. A ação popular - movida por um civil, sem vínculo com empresa, sindicato ou escola - foi protocolada pelo advogado Frederico Luiz Zaganelli, que é pai de um estudante de 6 anos. 

O advogado Frederico Luiz Zaganelli é pai de um aluno de 6 anos e ingressou com ação pelo retorno das aulas presenciais
O advogado Frederico Luiz Zaganelli é pai de um aluno de 6 anos e ingressou com ação pelo retorno das aulas presenciais |  Foto: Bruno Menezes
A ação foi protocolada na última quarta-feira (14), na 4ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Municipal, Registros Públicos, Meio Ambiente e Saúde de Vitória. Zaganelli conta que sempre acreditou que uma decisão favorável ao retorno das aulas era possível e que estudou bastante o assunto antes de ingressar com o pedido de liminar.

“Eu confio cegamente na Justiça. A partir do momento que fiz a ação, eu sabia que haveria chance. A pessoa que está do outro lado, dando a decisão, é um ser humano também. Ela está lendo, se baseando com o que há mais de atualizado na ciência em relação ao assunto. Eu tinha certeza absoluta, tinha uma convicção de que haveria uma pessoa que daria uma decisão justa e proporcional que o caso precisa", afirmou. 

O filho do advogado é aluno de uma escola particular de Vitória e o autor da ação frisa que esse retorno deve ser com base em protocolos sanitários para dar segurança aos trabalhadores e estudantes. 

"Em momento algum eu falei na minha ação que deveria voltar sem responsabilidade. Pelo contrário, falei que deveria seguir 100% a decisão da Justiça, de acordo com a Organização Mundial da Saúde e com a situação que estamos vivendo. O objetivo não é que a volta seja de maneira radical, sem olhar detalhes de segurança sanitária. Muito pelo contrário, que a gente volte duas ou três vezes na semana, com 50% dos alunos, o que for possível, porque o ensino online é bem diferente do presencial", disse ele. 

O advogado ficou feliz e achou acertada a decisão da juíza Sayonara Couto Bittencourt. Zaganelli reforça que é a favor da vacinação dos professores, que acredita na ciência e não é negacionista. 

"A decisão da juíza não é fora da realidade. É possível que voltemos às aulas de forma responsável, com distanciamento, dando o álcool, um protocolo que já vinha sendo utilizado. Acho que temos tecnologia e conhecimento necessário hoje para conviver sem se expor", analisa o advogado.

Na decisão, a juíza determina "o retorno às aulas presenciais da rede pública e privada de ensino no Estado do Espirito Santo, independente da atual matriz de risco, seguindo os Protocolos de Biossegurança necessários, tomando-se por analogia o Protocolo de Biossegurança para Retorno das Atividades nas Instituições Federais divulgado pelo MEC, em sistema de oferta hı́brido de aulas telepresenciais e presenciais, com manutenção de até 50% (cinquenta por cento) dos alunos em sala de aula, uso obrigatório de máscaras por alunos, professores e colaboradores, fornecimento de álcool gel 70% (setenta por cento), além de distanciamento entre as mesas de cada aluno, dentre outras medidas de prevenção previstas no mencionado protocolo e recomendadas pela OMS".

O que diz o governo

Em nota, o governo do Estado afirma que vai recorrer da decisão da Justiça. O governo diz que reconhece a importância do sistema de educação, mas ressalta que decisões mais restritivas foram necessárias para enfrentar um momento de alta taxa de transmissão e ocupação de leitos no Estado.

"Reforça ainda que todas as medidas são tomadas de acordo com o Mapa de Risco, que é a referência dos indicadores da doença no Espirito Santo. Acrescenta que na última semana anunciou a flexibilização às regras relacionadas à educação para os municípios classificados no risco alto e decidiu antecipar a vacinação dos professores. De qualquer forma, a fim de preservar a higidez do programa de enfrentamento à pandemia no Estado, a PGE irá recorrer da decisão".

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS