X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Governo quer começar vacinação a partir de 12 anos ainda este mês

| 17/08/2021 15:30 h

Atenção ao avanço no calendário vacinal contra covid-19: após iniciar a vacinação de quem tem a partir de 18 anos, está chegando a hora dos adolescentes entre 12 e 17 anos de idade receberem a primeira dose. E não está longe: o governo do Estado quer começar a imunização dessa faixa etária ainda este mês.

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, afirmou ontem que a expectativa é que os primeiros grupos a serem iniciados sejam de adolescentes em conflito com a lei e aqueles com comorbidades (doenças preexistentes), como diabetes, hipertensão e obesidade.

Imagem ilustrativa da imagem Governo quer começar vacinação a partir de 12 anos ainda este mês
Em um segundo momento, em setembro, será dada continuidade à vacinação também dos adolescentes em geral. “Ainda esta semana, será publicada nota técnica autorizando a vacinação dos adolescentes em conflito com a lei, que deverão ter o esquema de vacinação iniciado nos próximos dias”.

Também devem começar a ser vacinados ainda este mês os adolescentes com comorbidades, segundo o secretário. Depois, terá início a imunização dos demais adolescentes de 12 a 17 anos.

“O Ministério da Saúde tem avançado no entendimento da necessidade de ampliar a cobertura vacinal para esta população. Já foi realizado o dimensionamento nacional das doses para este grupo e existe garantia de que ele será totalmente atendido em setembro”.

Em evento em Cachoeiro de Itapemirim, o governador Renato Casagrande também anunciou que, caso o Estado consiga adquirir doses junto ao Instituto Butantan, pretende vacinar os adolescentes a partir dos 12 anos.

Após ter contraído covid-19 no ano passado, a pedagoga Andréa Soares da Costa, de 41 anos, teme que os filhos também sejam infectados com a doença
Após ter contraído covid-19 no ano passado, a pedagoga Andréa Soares da Costa, de 41 anos, teme que os filhos também sejam infectados com a doença |  Foto: Antonio Moreira/ AT
O subsecretário de Estado da Saúde, Luiz Carlos Reblin, destacou a quantidade de doses deste mês, devendo chegar a 1,1 milhão.

Na capital, o prefeito Lorenzo Pazolini planeja iniciar a imunização dos adolescentes sem comorbidades até o final deste mês.

Mas ele observa que é preciso concluir a vacinação de quem tem entre 18 e 24 anos, cujo agendamento foi aberto ontem e a vacinação começa a partir de hoje, além de receber novas remessas.

“Primeiro, é preciso completar esse ciclo de 18 anos. Estamos começando hoje (ontem). A ideia é, até o final deste mês, pelo menos, iniciar, a vacinação de quem tem de 12 a 17 anos”, disse o prefeito.

Ansiedade para agendar doses dos filhos

Após ter contraído covid-19 no ano passado, a pedagoga Andréa Soares da Costa, de 41 anos, teme que os filhos Gustavo Henrique, de 13 anos, e Gabriel Augusto, de 15 anos, também sejam infectados com a doença.

Segundo ela, a única esperança para que isso não aconteça é a vacinação dos dois adolescentes, que aguardam ansiosamente a abertura da faixa etária a partir dos 12 anos.

“Sei que eles precisarão manter todos os cuidados, assim como eu fiz, quando tomei minhas duas doses, mas é um sopro de esperança depois do período tão difícil que passamos. Assim que eles forem imunizados, ficarei mais tranquila e crente de que a pandemia está perto do fim, pois minha família estará salva”.

Mãe fica apreensiva

Preocupada devido à volta das aulas presenciais na escola da filha, a enfermeira Luana Ferreira, 38, não vê a hora de conseguir uma vacina para a adolescente
Preocupada devido à volta das aulas presenciais na escola da filha, a enfermeira Luana Ferreira, 38, não vê a hora de conseguir uma vacina para a adolescente |  Foto: Antonio Moreira/ AT
Preocupada devido à volta das aulas presenciais na escola da filha Cecília Andrade, de 14 anos, a enfermeira Luana Ferreira, 38, não vê a hora de conseguir uma vacina contra a covid-19 para a adolescente.

Ela conta que, com o aparecimento de novas variantes, a sua insegurança redobrou.

“Apesar de entender a importância dela estudar de forma mais regrada, fico apreensiva. A família inteira já está vacinada, só falta a pequena. Gostaria que a faixa etária dos adolescentes abrisse o quanto antes”, disse.

Exigências mantidas em escolas

Independente de a vacinação avançar, médicos alertam que as regras e os protocolos de segurança são fundamentais para o andamento das aulas presenciais e eles devem ser seguidos à risca pelas escolas, para evitar casos de covid-19 em crianças e adolescentes.

“As escolas devem manter as regras e exigências, como distanciamento e uso de máscaras, para as aulas presenciais seguirem de forma segura. Sigo estimulando a mandar para escola. Neste momento, é o melhor”, opina a infectologista pediátrica Euzanete Maria Coser.

Mas ela ressalta que, se o aluno ou familiar tiver qualquer sintoma respiratório, diarreia ou febre, a ida à escola deve ser adiada e todos que moram na mesma casa devem ficar em quarentena até que se tenha um diagnóstico.

O mesmo é defendido pela infectologista Ana Carolina D'Ettorres, que ainda destaca o aparecimento de outras doenças virais neste período de ano.

“Tanto os professores quanto os pais precisam ficar atentos para outras infecções que possam surgir, pois acabam sendo confundidas com a covid-19. Quanto antes detectar o que a criança tem, melhor”, salienta.

Para o infectologista e pediatra Leonardo Lence, do Hospital Maternidade São José, o rigor das crianças para seguirem os protocolos de segurança dentro das escolas surpreendeu os médicos.

“Elas estão conscientes da gravidade da pandemia e, além disso, adaptam-se melhor a novas experiências”, ressalta.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS