X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Aposentado que morreu de coronavírus vai ser homenageado por familiares

| 30/05/2020 18:33 h | Atualizado em 30/05/2020, 20:52

O aposentado Ricardo de Jesus Matos, 62, morreu vítima de Covid-19 na última quinta-feira (28) após ficar 16 dias internado. E, em um momento onde familiares de pessoas que morreram em decorrência do coronavírus não conseguem se despedir de seus entes queridos, os familiares de Ricardo terão essa oportunidade.

É que a mulher dele, a psicóloga Jurama Ribeiro de Oliveira Matos, 52, atendeu o pedido do companheiro para que seu corpo fosse cremado caso ele não vencesse o vírus.

A psicóloga Jurama vai ter a oportunidade de se despedir do companheiro Ricardo, vítima do coronavírus.
A psicóloga Jurama vai ter a oportunidade de se despedir do companheiro Ricardo, vítima do coronavírus. |  Foto: Acervo Pessoal

"No sábado retrasado, a técnica de enfermagem me mandou uma mensagem dizendo que o Ricardo tinha mandado um recado. Ele disse: ‘Ele pede para ser cremado, em uma urna com três fitas: rosa, azul e branca, que são as cores de Nossa Senhora. Pediu que as cinzas dele fossem lançadas ao mar, onde ele possa ser visitado por vocês. Você é o amor da minha vida. Dá um beijo enorme no Ítalo, Bianca e Gabriel, e no meu irmão de coração, Carlinhos’", contou ela. 

A psicóloga conta ainda o diálogo que teve com o filho, Ítalo, sobre o pedido de Ricardo. "Quando fui falar com o filho sobre esse desejo dele, o Ítalo me disse que o pai tinha comentado sobre isso com ele no caminho do pronto-socorro. Mas, ele disse na hora que era para o pai deixar disso que ele voltaria para a casa", lembra.

E a despedida acontece na tarde deste domingo (31) em Vitória. "Amanhã (domingo), vamos pegar a urna às 14 horas no cemitério Jardim da Paz, na Serra. De lá, vamos seguir cortejo para a ponte da Ilha do Frade, em Vitória. É um lugar fácil de visitar e tem o mar. Essa é um privilégio, nessa pandemia que muita gente está sendo enterrado sozinho. As pessoas que quiserem ir podem ficar dentro do carro e despedir", conclui ela. 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS