X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Anvisa recebe pedido da Pfizer para uso de vacina em crianças 6 meses a 4 anos

Segundo a empresa, o pedido tem como base um estudo realizado com 4.526 crianças dessa faixa etária, quando a ômicron já era a variante predominante

Agência Folhapress | 30/07/2022 08:52 h

Vacinas Covid-19 pediátricas da Pfizer-BioNTech
Vacinas Covid-19 pediátricas da Pfizer-BioNTech |  Foto: Myke Sena/MS
 

A Pfizer submeteu nesta sexta-feira (29) à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido de aprovação de sua vacina contra covid para aplicação em crianças de seis meses a quatro anos.

Segundo a empresa, o pedido tem como base um estudo realizado com 4.526 crianças dessa faixa etária em um momento em que a ômicron já era a variante predominante. Na pesquisa, as crianças receberam três doses de 3 μg, com um intervalo de três semanas entre a primeira e a segunda dose, e de pelo menos oito semanas entre a segunda e a terceira dose.

Ainda de acordo com a Pfizer, não há diferença na composição da vacina proposta para os mais novos e aquela já oferecida para pessoas a partir de cinco anos.

O que muda é a concentração: 3 μg por dose para crianças de seis meses a quatro anos, 10 μg por dose para crianças de cinco a 11 anos e 30 μg para aqueles a partir de 12 anos.

Para sinalizar a diferença na concentração, a fabricante pretende manter a política de embalagens com cores variadas: o imunizante para os mais novos terá tampa na cor vinho, enquanto para aqueles de cinco a 11 anos a vacina tem tampa laranja. O imunizante a população acima dos 12 anos segue com a tampa roxa.

Além da Pfizer, a Moderna também pretende submeter nas próximas semanas à Anvisa o pedido para aplicação de sua vacina.

Os imunizantes das duas empresas utilizam tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), que protege por mais tempo segundo estudo conduzido por cientistas das universidades Yale e da Carolina do Norte publicado na revista científica PNAS.

As duas vacinas foram aprovadas pelo FDA (agência reguladora de drogas e alimentos dos Estados Unidos) em junho para aplicação em crianças americanas de seis meses a quatro anos e, se obtiverem aval da Anvisa, atingirão uma faixa não coberta pela Coronavac, que tem autorização para ser aplicada a partir de três anos.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS