search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Contaminação comunitária pode acabar em setembro

Notícias

Publicidade | Anuncie

Coronavírus

Contaminação comunitária pode acabar em setembro


A queda no número de casos do novo coronavírus pode fazer com que, no próximo mês, o Espírito Santo deixe o cenário de transmissão comunitária da doença, quando não se é possível saber de onde ou como ocorreu a contaminação.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que isso ainda é uma projeção, sendo necessário fazer novas avaliações durante este mês para saber se isso irá se confirmar, já que o comportamento da doença é dinâmico.

De acordo com a secretaria, se mantendo a tendência de estabilização – com queda da curva nas próximas semanas, associada ao comportamento da sociedade em manter as medidas de proteção do protocolo Covid – há uma previsão de que, no mês de setembro, o Estado possa conseguir novamente identificar o contato da pessoa infectada pelo novo coronavírus.

Dessa forma, com a chamada contaminação local, como se tinha no início do aparecimento dos primeiros casos no Estado, a secretaria explicou que será possível adotar as medidas de isolamento para contenção da transmissão desses pacientes.

Teste rápido da Covid-19 (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)
Teste rápido da Covid-19 (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

Inquérito
Um dos instrumentos que tem sido usado pela Sesa para monitorar o comportamento da pandemia no Estado por meio de testes rápidos, o inquérito sorológico, teve os resultados apresentados na última segunda-feira.

Na primeira etapa do segundo inquérito realizado, a pesquisa apontou o perfil dos infectados pelo novo coronavírus.

Entre eles, que os casos positivos usam mais o transporte coletivo pelo menos três a quatro vezes por semana, quando comparado às pessoas que não tiveram contato com o coronavírus. Eles também usam por tempo prolongado, mais de 30 minutos ou mais de 60 minutos.

Quanto ao uso de máscara, os infectados com mais frequência não fazem o uso adequado.
Sobre o transporte coletivo, a Secretaria de Estado de Mobilidade e Infraestrutura (Semobi) informou que tem adotado medidas para a segurança dos passageiros.

Entre as ações estão: a determinação para que empresas reforcem a equipe de fiscalização dos ônibus nos terminais, sendo proibido que os veículos iniciem as viagens com passageiros em pé ou sem máscara; determinação para que o embarque nos terminais seja realizado somente pela porta do meio; reforço nas marcações do distanciamento nas filas de embarque, entre outras.

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados