search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Conta em restaurante vai ficar mais cara com alta dos alimentos

Notícias

Publicidade | Anuncie

Economia

Conta em restaurante vai ficar mais cara com alta dos alimentos


 (Foto: Freepik)
(Foto: Freepik)
A alta no preço de alimentos como arroz, feijão e óleo de soja afetou não apenas o consumo nas casas, mas também nos restaurantes, que relatam prejuízos e consideram aumentar o preço dos pratos.

O presidente do Sindicato dos Restaurantes, Bares e Similares do Estado (Sindbares), Rodrigo Vervloet, explica que o setor tentou não repassar o aumento dos insumos para os clientes, mas que por conta disso muitos restaurantes ficaram no prejuízo.

 Rodrigo Vervloet,  presidente do Sindbares: setor tentou segurar  preços (Foto: Leone Iglesias/AT)
Rodrigo Vervloet, presidente do Sindbares: setor tentou segurar preços (Foto: Leone Iglesias/AT)
“É uma situação que a gente lamenta, porque fazemos o máximo para absorver e não repassar para o cliente final. Só que é inevitável. É um percentual que varia de restaurante para restaurante, mas há uma tendência de aumento, sim, porque muitos estabelecimentos estão ficando no prejuízo e acabam sem outra opção para sobreviver”.

Um dos donos do restaurante Galetinho, em Vitória, Gerso Fogolin, diz que o espaço ainda não aumentou o preço, mas que trata-se de algo inevitável de acontecer.

“Estamos tentando segurar para não prejudicar ainda mais o cliente, mas isso acaba nos prejudicando também. Os restaurantes em geral tendem a aumentar o preço para compensar essa alta no arroz e outros alimentos. Não tem para onde correr”.

Consumidores de restaurantes já demonstram preocupação com a situação. O produtor audiovisual João Vitor Silveira Passos diz que costuma comprar marmitas em um restaurante próximo de casa, e que entende o lado dos restaurantes, apesar de ficar preocupado.

“O restaurante onde almoço todo dia já começou a reajustar o preço do quilo. A tendência é que as marmitas e o prato feito também sejam afetados. Está cada vez mais caro comer no Brasil, mas isso não é culpa dos restaurantes, é consequência desse aumento descontrolado do preço dos alimentos. Eu até já estava esperando isso acontecer”.

A assistente de departamento pessoal Rafaela de Carvalho da Silva se mostrou preocupada, e pretende optar por alimentos mais leves para economizar.

“A gente sabe que o preço está subindo, o custo aumentou tanto para comer em restaurantes quanto para se alimentar em casa. O jeito é optar por alimentos que pesem menos na balança, para tentar economizar um pouco”.

Levar comida ou fazer pesquisa

Com o aumento nos preços dos restaurantes, fazer comida em casa para levar para o trabalho pode ser mais econômico do que comer fora, segundo especialistas.

Ricardo Paixão: troca aos poucos (Foto: Divulgação)
Ricardo Paixão: troca aos poucos (Foto: Divulgação)
Para o economista Ricardo Paixão, é importante que o trabalhador mantenha o nível da qualidade da alimentação. Porém, trocar os restaurantes por comida feita em casa durante alguns dias da semana pode ser uma forma eficiente de economizar.

“A dica é comprar alimentos em feiras livres, que costumam ser mais baratas do que em supermercados. Não precisa fazer o almoço para levar a semana inteira, pode fazer para alguns dias e nos outros ir no restaurante, porque aí já vai reduzindo custos e se acostumando, podendo aumentar as marmitas caseiras pela semana conforme o tempo passa”.

O economista Mário Vasconcelos acrescenta que, além das marmitas caseiras, nessas horas é importante procurar restaurantes com o valor do quilo mais barato.

“Para quem compra comida em self-service, é uma boa fazer pesquisa prévia no preço dos restaurantes próximos ao trabalho do consumidor. Geralmente o empregado recebe vale-refeição, o que deve ser aproveitado ao máximo. Ao mesmo tempo, deve-se observar o preço do quilo e a qualidade da comida. Alimentar-se bem, com um prato variado, é essencial. Não adianta comer mal ou pouco só para economizar”.
 

Entrar no grupo do WhatsApp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna Online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados