search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Consolo da falsa ciência
Doutor João Responde

Consolo da falsa ciência

Em tempos de pandemia, alguns medicamentos têm reivindicado status científico, embora careçam de provas ou plausibilidade.

A fronteira entre ciência e pseudociência tem implicações religiosas, sociais, filosóficas e artísticas; basta lembrar que “medicina é a ciência das verdades temporárias”.

A verdade é frágil e poderosa na ciência médica. Frágil porque é efêmera, portanto precária. Poderosa porque tem grande influência, enquanto vigente.

Hidroxicloroquina, ivermectina, nitazoxanida, niclosamida, levamisole, azitromicina, entre outras drogas, estão sendo utilizados para prevenir e combater a Covid-19. Embora nenhum desses fármacos tenha mostrado evidência científica, eles estão sendo prescritos à revelia.

Quando um medicamento é disponibilizado e existe a hipótese que ele funcione, pode acontecer de um médico querer prescrevê-lo para o seu paciente. Em alguns casos, o profissional decide tratá-lo por acreditar que o doente possa vir a se beneficiar de um determinado fármaco não aprovado para a situação em questão. Esse procedimento é conhecido como “off label”, que significa “fora da bula”.

Dentro da lógica, existem três aspectos que enfraquecem a crença na eficácia de drogas usadas contra o coronavírus.

Do ponto de vista histórico, devemos lembrar que a cloroquina foi largamente utilizada para tentar frear o avanço da gripe espanhola, em 1918. Ainda assim, morreram 50 milhões de pessoas, vítimas daquela nefasta pandemia.

Analisando pela ótica social, não podemos esquecer que, com exceção da Venezuela e dos Estados Unidos, o Brasil é o único país que acredita ser capaz de prevenir e extirpar a Covid-19 com drogas sem comprovação científica.

Apesar do uso desses fármacos supostamente eficazes, a verdade é que a pandemia se alastra pelo País, deixando evidente que a resposta do sistema imunológico de cada paciente está sendo confundida com o efeito benéfico desses remédios. Além disso, devemos questionar por que a comunidade médica internacional não se vale de “antivirais”, investindo apenas na busca da vacina salvadora?

Sob o prisma científico, todo acadêmico de medicina sabe que nenhuma droga elimina vírus, quando muito, ela reduz a carga dessa minúscula partícula dentro do corpo.

Pelo fato do vírus precisar do código genético da célula para se replicar, qualquer antiviral acabaria destruindo a própria célula, tentando atingir o vírus. Seria como “atear fogo num apartamento para matar uma barata”.

Apesar desses argumentos, a falta de opção para vencer o coronavírus acaba sendo substituída pela fé de que algo possa destruí-lo. Incapaz, enquanto ser humano, ninguém prova a existência do Criador, mas acreditar gera um enorme efeito terapêutico. Não crer em Deus alimenta a angústia do vazio.

A lógica da medicina se torna inútil perante o medo que desespera. Para o afogado, jacaré é tronco.
Diante da imprevisibilidade da morte causada pelo coronavírus, errar nunca foi tão humano!

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Tranquilizante causa dependência

Algumas pessoas que têm dificuldade para enfrentar as vicissitudes da vida procuram um médico, solicitam receita de um calmante e depois não conseguem mais viver sem ele. Quando a caixa termina, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Reações a medicamentos

É muito frequente o uso do vocábulo remédio como sinônimo de medicamento. No entanto, eles não significam a mesma coisa. Remédio é qualquer tipo de cuidado utilizado para tratar doenças, aliviando …


Exclusivo
Doutor João Responde

O desconfortável soluço

O incômodo soluço surge em situações e momentos mais impróprios. Trata-se de uma contração vigorosa e involuntária do diafragma, músculo responsável pela inspiração e que separa o tórax do abdômen. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Limitações da telemedicina

A medicina se alimenta de informação. Ausência de dados compromete o diagnóstico e o tratamento. O médico pode utilizar um ambiente virtual para centralizar as informações do paciente, facilitando o …


Exclusivo
Doutor João Responde

Vulnerabilidade a medicamentos

Enquanto o corpo envelhece, o espírito amadurece, pois ninguém é demasiadamente idoso para que não possa nutrir esperança. Vulnerabilidade a medicamentos fragiliza a saúde do paciente geriátrico. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Pneumonia silenciosa

Pneumonia é um tipo de inflamação que afeta os pulmões, geralmente relacionada a uma infecção. De modo geral, o quadro começa com alguma gripe que não é bem tratada, fazendo com que a imunidade do …


Exclusivo
Doutor João Responde

As perigosas mutações virais

Buscando harmonizar-se como um todo, ignorando o egoísmo humano, a natureza se recicla. Equivocadamente, o Homo sapiens tenta mudá-la, em vez de se ajustar a ela. A natureza costuma ser lânguida, mas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Medicina baseada em evidência

“Medicina é como amor: nem nunca, nem sempre”. No passado, o médico nem sempre tinha acesso à pesquisa mais recente. Muitas vezes, ele decidia como tratar um paciente, usando apenas sua própria …


Exclusivo
Doutor João Responde

Predadora célula cancerosa

Para manter-se vivo, o corpo precisa lutar contra tudo aquilo que desequilibra suas funções, inclusive contra si mesmo. Munido de uma poderosa arma antigênica, o organismo protege a vida que mantém …


Exclusivo
Doutor João Responde

Uso de corticoide em Covid-19

Descobriu-se, recentemente, que o esteroide dexametasona diminui a nefasta reação do sistema imunológico contra o coronavírus, aumentando a chance de sobrevivência do paciente grave. Denominada …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados