search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Conselho reprova de novo contas de 2019 e complica situação de Peres no Santos

Esportes

Publicidade | Anuncie

Esportes

Conselho reprova de novo contas de 2019 e complica situação de Peres no Santos


A gestão de José Carlos Peres sofreu nova derrota política. Na segunda-feira (3), os membros do Conselho Deliberativo do Santos voltaram a rejeitara as contas do clube em 2019, o segundo dos três anos de mandato do dirigente, em reunião realizada de modo virtual em função da pandemia do coronavírus.

O balanço financeiro do Santos já havia sido rejeitada pelos conselheiros em encontro realizado em junho. Diante da reprovação inicial, Peres teve o direito de apresentar a sua defesa. Porém, ela foi rejeitada, com o Conselho Deliberativo seguindo a recomendação do Conselho Fiscal.

Ponte venceu o Santos de virada  (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)
Ponte venceu o Santos de virada (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

O caso das contas do segundo ano do mandato agora segue para a Comissão de Inquérito e Sindicância do Santos, que vai avaliar se houve gestão temerária de Peres. Caso seja essa a avaliação, pode sugerir diferentes punições, que vão de advertência até exclusão do quadro associativo, passando pela possibilidade de impeachment, que precisaria ser aprovada pelos conselheiros e sócios.

A gestão atual de Peres vai até o fim de 2020, e a perda do mandato precisaria cumprir um ritual que é longo. Em 2018, o dirigente enfrentou um processo de impeachment, que foi rejeitado em setembro daquele ano pelos sócios.

As contas de Peres de 2018 já haviam sido rejeitadas, com déficit de R$ 77 milhões. No ano passado, o Santos teve resultado positivo de R$ 23,5 milhões no seu balanço, provocado especialmente pela venda de Rodrygo ao Real Madrid. Nem por isso, no entanto, o Conselho Fiscal aprovou o relatório financeiro, apontando irregularidades nas contas do clube, como o uso do cartão corporativo para fins pessoais e o pagamento de intermediação da venda de Bruno Henrique


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados