search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Como não enjoar navegando no mar
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas no mar”?

Pois é, doutor: Visando navegar com minha família, comprei uma pequena lancha. Minha mulher não gostou, alegando que eu tinha enjoado, durante um cruzeiro marítimo, que havíamos feito no ano passado e que, certamente, iria passar mal na embarcação.

Mesmo eu demonstrando o prazer que iríamos sentir, margeando o litoral capixaba, ela torceu o nariz, mas acabou concordando. Assim que fizemos o primeiro passeio, o único que enjoou fui eu.

Bem, eu respondi: Vamos começar, afirmando que existem apenas dois tipos de pessoas que nunca vomitaram no mar: os mentirosos e aqueles que nunca entraram numa embarcação. Portanto, não precisa ficar constrangido, pois isso é bastante comum.

Concordo com o Senhor, mas existe algum tratamento para isso?

Na verdade, o melhor tratamento para cinetose, como é conhecida a náusea causada pelo movimento, é o preventivo. De nada adianta tomar medicamentos para enjoo, depois que ele aparece.

Nesse momento, o labirinto, sensibilizado, não responderá aos remédios. Pode-se tentar colocar o indivíduo num lugar ventilado e solicitar que ele olhe para o horizonte, fixando os olhos em algo parado.

É importante observar que tonturas, náuseas e vômitos surgem com maior frequência quando a embarcação começa a jogar contra as ondas. Nessas condições, as fibras nervosas localizadas no ouvido interno se confundem, gerando náusea.

O paciente interrompeu, afirmando que não havia entendido direito a minha explicação. Eu tentei esclarecer que os distúrbios do movimento ocorrem porque as informações, que o cérebro recebe dos olhos, são discordantes.

Dentro do mar, o passageiro, ao contrário da embarcação, encontra-se parado. Sobre as águas, uma lancha é submetida a três tipos de movimentos: arfar e caturrar, que significa subir e descer nas ondas; cabecear, que significa jogar a proa e a popa de um lado para outro; balançar, que significa oscilar as bordas para baixo e para cima.

Em todas essas situações, o cérebro pensa que o tripulante está parado, enquanto os olhos informam o contrário, gerando alucinação de movimento. O resultado é a presença de desconfortável tontura.

Então, Doutor: O que podemos fazer para minorar essa situação? Além da cinetose, eu disse que existem outras doenças que podem produzir náuseas e vômitos. Por essa razão, gostaria de solicitar alguns exames.

Como seu exame físico acusou normalidade e seguro de que seus exames laboratoriais atestariam sua saúde, sugeri alguns conselhos para o marinheiro de primeira viagem:

Uma conduta bastante importante é jamais encher o estômago com alimentos gordurosos, antes de navegar. Procure ingerir coisas leves, como frutas, biscoitos e água de coco. Nada de bebida alcoólica. Os medicamentos utilizados para o combate da náusea devem ser tomados seis horas antes de entrar na embarcação.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Exclusivo
Doutor João Responde

Fadiga pode ser preguiça ou doença

Minha paciente esteve recentemente em outro médico, queixando-se de vários sintomas, tais como, calafrios, irritabilidade, fraqueza, tontura, dor de cabeça e, principalmente, cansaço que persiste o …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados