search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

"Como é bom ver os meus filhos", diz músico que venceu o alcoolismo

Notícias

Publicidade | Anuncie

Cidades

"Como é bom ver os meus filhos", diz músico que venceu o alcoolismo


Após viver sete anos nas ruas de Vitória, o violonista Elias Belmiro, de 52 anos, conseguiu dar a volta por cima e hoje luta para se manter sóbrio.

O violonista Elias Belimiro afirma que, hoje,  pelo amor aos filhos – Pablo, de 22 anos, e Emanuelle, de 8 –,  está lutando para se manter sóbrio. (Foto: Beto Morais/AT)
O violonista Elias Belimiro afirma que, hoje, pelo amor aos filhos – Pablo, de 22 anos, e Emanuelle, de 8 –, está lutando para se manter sóbrio. (Foto: Beto Morais/AT)

A Tribuna – Como era sua carreira antes de se tornar um dependente?

Elias Belmiro – Eu gravei discos interpretando a obra de Heitor Villa-Lobos, fui professor da Faculdade de Música do Espírito Santo (Fames) e até toquei com a Orquestra Sinfônica do Espírito Santo (Oses). Também dei aulas para crianças no Cajun e chegamos a montar uma orquestra. Viajei para países como Alemanha, Itália e Espanha.

Como percebeu que o consumo do álcool era um problema?

Não sei explicar quando o consumo de álcool se tornou um problema na minha vida. Bebia cerveja normal. O que sei te falar é que eu odeio bebida. Eu tinha horror a beber, porque sabia que no outro dia beberia de novo. Não compreendia, mas já era alcoólatra. Perdi bens, casamento, emprego. Eu me atenho em pensar no motivo que vim ao mundo. Acredito que estou aqui para servir com o talento que Deus me emprestou.

Como têm sido seus dias após sair das ruas?

Estou morando na casa de um amigo e estou sendo acompanhado no Centro de Atenção Psicossocial (Caps), em Vitória. Estou procurando um emprego, mas agora, na pandemia, está difícil. Fui convidado pelo maestro Helder Trefzger para tocar com a Orquestra Sinfônica.

Eu sei que terei de brigar com o alcoolismo pelo resto da vida. Se eu beber uma gota de álcool, o dragão desperta. Eu passo pelas pessoas que estão na rua e peço a Deus por elas. Hoje, estou feliz! Como é bom estar sóbrio e poder ver meus filhos!

Leia mais

VÍDEO | Violonista vence o alcoolismo após morar 7 anos na rua


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados