Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Redação A Tribuna

Turismo vai precisar unir forças para voltar a crescer no Estado

| 16/06/2020, 07:49 07:49 h | Atualizado em 16/06/2020, 07:56

Muito se fala em novos protocolos e processos para o turismo, uma nova forma de viver após a pandemia, porém o que podemos ver neste momento no turismo é a velha e tradicional gestão.
Não há uma política pública bem definida com estratégias claras e executáveis. Com isso, seremos na escalada da recuperação os últimos a retornar.

O turismo já representa 8,4% do PIB brasileiro, gerando empregos, renda e impostos. Mesmo assim, temos a impressão de que os números não têm representação. São dias difíceis.

Aqui no Espírito Santo, hotelaria, pousadas, restaurantes, agroturismo, empresas de receptivo e outras 52 atividades empresariais que fazem parte deste conjunto estão pedindo socorro.

Quando se começa uma crise, nesta proporção, já se deve ter um planejamento estratégico para a recuperação. Desde o início, já poderíamos definir ações para acelerar o processo de recuperação do turismo e seus segmentos, mesmo que estas ações sejam modificadas conforme a continuidade da gravidade da pandemia.

No Estado, temos entidades turísticas que precisam ser ouvidas e ter suas ideias geridas. Não há pessoas mais capacitadas e comprometidas para contribuir com o desenvolvimento do nosso turismo do que as que fazem parte dessas entidades. Todos os segmentos do turismo são importantes e juntos são mais fortes.

A competição para atrair estes clientes do turismo é grande. Estados do Nordeste e do Sul do País investem milhões em marketing e participações em feiras e eventos, e nós capixabas, com pouco recurso que temos, precisamos ser ainda mais precisos nas ações para diminuir esta diferença.
Por isso, a importância de uma comunicação mais próxima e clara de todas as representações turísticas com seus representantes públicos, sendo eles de âmbito federal, estadual ou municipal.

Sabendo que o tempo de retorno da atividade turismo de lazer ainda não está bem definido – alguns especialistas acreditam após outubro – o setor privado precisa manter o relacionamento com as grandes operadoras e agências de turismo, com o intuito de manter a visibilidade do destino e suas atrações.

Mesmo com esta indefinição do retorno, precisa se criar ações e promoções para divulgar o seu negócio, já que o cliente estará mais sensível a segurança de higienização e preço. Viveremos novos tempos, sim.

O turismo passará por grandes transformações. Então, vamos aproveitar e mudar nossa visão do turismo e caminhar juntos para crescer. Por que então não fazer diferente? Vamos dialogar e definir como fazer o marketing? Como diminuir o tempo de recuperação? Como investir? Como ter acesso mais fácil a créditos financeiros justos para capital de giro ou investimento?

São muitos questionamentos e juntos podemos fazer a diferença. E tudo isso sem planos mirabolantes ou lindos no papel! Nosso potencial de destino turístico é fantástico, mas precisamos fazer em conjunto.

O Estado estava em uma crescente no turismo de lazer e negócios. Precisamos recuperar deste ponto para minimizar ao máximo as perdas e potencializar cada vez mais nossas belezas.


PAULO MAIA é gestor de hotelaria há mais de 20 anos.

MATÉRIAS RELACIONADAS