Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista

Tribuna Livre

Imagem do colunista

Saúde mental precisa ser tema de debate dentro das empresas

01/10/2021 09:16:13 min. de leitura

Se você é empresário, começo este texto com a seguinte pergunta: o planejamento estratégico da sua empresa inclui ações voltadas para a saúde mental da sua equipe? Se você é funcionário, a minha pergunta é: em que medida o seu bem-estar influencia no trabalho?

Em meio à pandemia da covid-19, que impactou todos os setores das nossas vidas, ficou evidente que saúde mental não deve ser um assunto restrito ao âmbito familiar. Deve, sim, ser pauta do mundo corporativo, que precisa enxergar gestores, líderes e funcionários em geral como seres humanos que possuem vulnerabilidades.

Na indústria, costumamos contar os dias sem ocorrência de acidentes. Será que estamos nos preocupando também com a redução do número de atestados por causa de transtornos como ansiedade, depressão e pânico, por exemplo? O que estamos fazendo para cuidar da saúde mental das nossas equipes?

Foi pensando nisso que começamos a oferecer aos funcionários uma formação em Felicidade. Aprendemos que é possível estudar a felicidade e praticar no dia a dia hábitos que levam a ela.

Durante seis meses de curso, a equipe estuda e faz atividades práticas sobre relacionamento, metas, gratidão, gentileza, atividade física e meditação, que são considerados hábitos da felicidade.

O objetivo, com isso, é incentivar nas pessoas a mudança de hábito e oferecer ferramentas para que elas consigam desenvolver a felicidade, vivendo experiências mais positivas e se fortalecendo para ultrapassar momentos desafiadores com mais confiança, esperança, positividade e gratidão.

A pandemia escancarou a vulnerabilidade das pessoas e das empresas em relação ao trato com a saúde mental.

Percebemos a complexidade disso e a necessidade de apoio para atravessarmos essa fase com corpo e mente sãos.

Consideramos que este é um momento oportuno e fizemos o investimento, que se traduz em cuidar da saúde mental e da qualidade de vida da nossa equipe.

Para quem pensa que isso é besteira e considera importantes somente os resultados da empresa no final do mês, vale frisar que essa é uma questão que vai muito além da empatia e do altruísmo.

Mesmo que a preocupação com a saúde mental dos funcionários fosse unicamente com foco empresarial, já valeria a pena.

Um estudo realizado na Universidade da Califórnia mostra que trabalhadores felizes são 31% mais produtivos e três vezes mais criativos. Além disso, sentem-se mais motivados a evitar desperdício e acidentes de trabalho e a atender melhor os clientes.

Em meio à pandemia, estamos todos preocupados. Há muitas pessoas perdendo pessoas. Isso tira a concentração e influencia em todos os aspectos da vida, inclusive no profissional. Entendemos que, se o trabalhador está bem consigo e em família, ele tem mais empenho, dedicação e produtividade. Cuidar da saúde mental dos funcionários é uma tendência sem volta, também é empreender e pensar à frente. Somente unidos conseguiremos superar este momento.


Rafael Ribeiro é empresário da indústria vidreira.