Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Redação A Tribuna

Pandemia e seus reflexos nos consultórios odontológicos

| 17/03/2021, 10:07 10:07 h | Atualizado em 17/03/2021, 10:09

Em março os brasileiros completam um ano vivenciando a pandemia da Covid e isso tem reflexo até na saúde bucal dos pacientes: a estimativa é de que os atendimentos por fraturas nos dentes e dor aumentem até 40% em comparação ao período anterior à pandemia. Isso porque os sentimentos de insegurança, ansiedade e estresse afetam a saúde bucal, resultando no desenvolvimento de bruxismo e Disfunção da Articulação Temporomandibular (DTM).

O estresse e ansiedade afetam a qualidade de vida e podem provocar episódios de pressionamento e ranger de dentes característicos do bruxismo, que leva a dores na face e ouvido, barulhos ao mastigar, travamento da mandíbula. Em alguns casos, o acompanhamento odontológico deve ser associado com tratamento psicológico para tratar as questões emocionais envolvidas.

O isolamento social obrigatório teve reflexos no cotidiano e tornou popular a realização das famigeradas lives e trouxe a necessidade do home office e das reuniões online. Isso gerou uma demanda por soluções estéticas nos consultórios de dentistas para ficar bem na telinha do telefone e computadores.

A procura por procedimentos estéticos como aplicação de lentes, harmonização facial e clareamento dental acompanha essa tendência. Vale destacar que o Brasil segue em segundo lugar no ranking de países que mais realizam procedimentos estéticos, segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética.

Diante dos procedimentos estéticos que viraram moda, é preciso relembrar que a principal missão da Odontologia é prevenir e tratar as doenças bucais. Essa preocupação toma força ao falar sobre os números crescentes de casos de câncer de boca, doença considerada problema de saúde pública no mundo: o Brasil é o terceiro país com maior número de ocorrência de câncer de boca no mundo, com cerca de 15 mil casos por ano, segundo o INCA.

A falta de informação é um fator de risco quando o assunto é câncer de boca. Por isso, é importante ficar atento aos primeiros sinais e procurar logo o dentista.

Por ser uma doença silenciosa, os sintomas como pequenas lesões na cavidade oral que não cicatrizam por mais de duas semanas, manchas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengiva, céu da boca e bochechas, bem como rouquidão persistente podem passar despercebidos.

Os cuidados com a higiene bucal não podem ser negligenciados e, numa pandemia, esse apelo torna-se mais urgente. Prevenir doenças e infecções ajuda a manter seu sistema imunológico forte, fator fundamental numa crise de saúde pública de proporções mundiais.

A pandemia mudou o ambiente de trabalho de muita gente e dos dentistas também: os cuidados com higienização e segurança do paciente foram reforçados, bem como o uso de Equipamentos de Proteção Individual.

A implementação de boas práticas de biossegurança mudaram a rotina dos consultórios odontológicos para evitar contágio pela Covid e garantir segurança de quem precisa de atendimento de saúde.

Catarina Riva é ortodontista.

MATÉRIAS RELACIONADAS