Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Leitores do Jornal A Tribuna

O combate a dengue requer esforço de toda a sociedade

Coluna foi publicada nesta quinta-feira (07)

Josias Aragão | 07/03/2024, 11:04 11:04 h | Atualizado em 07/03/2024, 11:04

Imagem ilustrativa da imagem O combate a dengue requer esforço de toda a sociedade
Josias Aragão é médico infectologista |  Foto: Carla Kanamaru

A dengue é uma das doenças virais mais preocupantes atualmente no Brasil devido à disparada de casos em 2024. De acordo com dados do Ministério da Saúde, o país ultrapassou um milhão de casos somente em janeiro e fevereiro de 2024. Esse número representa mais da metade dos casos registrados durante todo o ano de 2023, o que levanta o alerta para a velocidade no aumento das ocorrências.

Um dos fatores que explica esse rápido avanço da doença são as mudanças climáticas decorrentes do aquecimento global. Elas acentuam os efeitos naturais do El Niño, resultando em ondas de calor extremo acompanhadas de chuvas ocasionais, podendo criar condições que favorecem o ciclo reprodutivo do mosquito Aedes aegypti, agente transmissor da doença. No Brasil, há quatro sorotipos circulando ao mesmo tempo. Ao ser infectada, a pessoa se torna imune apenas a um sorotipo específico, com possibilidade de contrair a doença por mais três vezes.

Acho fundamental destacar a importância da prevenção, tratamento e cuidados específicos, especialmente para grupos de maior vulnerabilidade, como as grávidas. As gestantes têm quatro vezes mais chances de morrer pela dengue e, infelizmente, ainda não há um imunizante seguro para elas. A infecção na gravidez pode aumentar o risco de complicações tanto para a mãe quanto para o feto.

Os sintomas nas mulheres grávidas são semelhantes: dor muscular, atrás dos olhos, de cabeça, manchas avermelhadas pelo corpo e febre alta são os mais comuns, mas podem evoluir para complicações como sangramentos, parto prematuro e até mesmo aborto espontâneo. Ao sinal de sintomas, é crucial procurar uma unidade de saúde o mais rápido possível.

Medicamentos não devem ser tomados sem recomendação médica, pois podem afetar a coagulação de sangue das pessoas com o vírus, e levar ao aumento do risco de sangramentos e agravamento. São eles: AAS, aspirina (salicitatos) e derivados de ácido acetilsalicílico, prednisona e hidrocortisona (corticóides) e ibuprofeno e nimesulida (anti-inflamatórios não esteroidais). Pessoas que fazem o uso crônico de um desses medicamentos devem manter o uso e suspender apenas sob orientação médica.

Não há tratamento específico para a dengue. As medicações indicadas tratam apenas os sintomas, mas uma boa hidratação é parte essencial do tratamento, pois a doença causa desidratação muito rápida.

A luta contra a dengue requer um esforço conjunto e contínuo de toda a sociedade, órgãos públicos e privados, profissionais de saúde e a população. A prevenção segue como a principal estratégia e as recomendações de evitar locais com maior incidência de mosquitos, eliminação de locais em que se acumula água parada, uso de repelentes aprovados pela Anvisa e sem contraindicação para grávidas, além de proteção mecânica do corpo com roupas com maior cobertura devem ser seguidas.

Enquanto a vacinação não está disponível para todos, só por meio de uma abordagem abrangente e coordenada poderemos controlar efetivamente essa doença e reduzir seu impacto na saúde pública.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

SUGERIMOS PARA VOCÊ: