Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista

Tribuna Livre

Imagem do colunista

No Dia da Independência, os desafios e os agradecimentos

07/09/2021 10:39:56 min. de leitura

Começamos esta reflexão tal como será iniciada a solenidade simplificada que marca este dia 07 de setembro, realizada no 38º Batalhão de Infantaria, em Vila Velha: com uma respeitosa e sincera continência, dedicada a todas às famílias brasileiras enlutadas pelas consequências da pandemia que assola a humanidade desde o ano de 2020.
Embora a pandemia no Espírito Santo esteja em uma fase considerada de baixo risco pelo Mapa de Gestão de Risco do Governo do Estado, sabemos que o atual contexto ainda requer cuidados que desaconselham a concentração de pessoas em eventos de grande porte.

Mesmo assim, ao largo dos grandes festejos, com pessoas de todas as idades e classes sociais participando de modo pacífico e democrático dessa verdadeira festa da cidadania, entendemos que esta data evoca a necessidade de uma importante reflexão, e, também, de um especial agradecimento.

Hoje, a tradicional definição da independência deve suplantar a questão histórica da trajetória do Brasil e de seu povo desde 1822. Em 2021, a independência se ressignifica na priorização pelo direito à vida, representado pelo necessário avanço da cobertura vacinal, a consequente diminuição do número de casos da Covid-19 considerados graves, e, também, a cada vez mais acentuada retomada de nossas atividades em sociedade.

Todos os dias, pessoas anônimas, mas nem por isso menos heroicas, dedicam suas vidas para salvar outras vidas. Militares das três forças, policiais militares e civis, policiais penais, bombeiros militares, guardas municipais, além de inúmeros outros servidores públicos e trabalhadores em geral, que merecem ser lembrados e enaltecidos.

Nesse horizonte, ainda nos referindo a heróis e heroínas, torna-se necessário um agradecimento especial. Nesses últimos meses, acompanhamos o debate sobre a surpresa da doença, as dificuldades de seu tratamento, e, também, os riscos inerentes ao trabalho em meio ao vírus e suas constantes mutações.
Assistimos a angústia demonstrada pela perda de muitas vidas, e a alegria por tantas outras que foram e continuam sendo salvas, em emocionantes altas médicas com os famosos cartazes: “Eu venci a Covid”. Com olhos esperançosos, vemos o avanço da vacinação e a renovação da confiança de que vamos sim superar esse grande desafio.

Por isso, como forma de simbolizar esse contexto, de desafios e de gratidão, a Secretaria da Casa Militar, como organizadora do evento alusivo, resolveu neste ano estender uma faixa, trazida dos céus por nossas harpias, aeronaves do Núcleo de Operações e Transporte Aéreo, com os seguintes dizeres, propositadamente maiúsculos: OBRIGADO AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE.

Por fim, parafraseando o governador Renato Casagrande, desejamos que nossa prioridade continue sendo salvar vidas, para que, em breve, possamos voltar às comemorações da independência com todos em segurança.

Jocarly Martins de Aguiar Júnior é coronel da PM e secretário-chefe da Casa Militar.