Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Ciência do conforto na empresa

| 23/08/2021, 09:32 09:32 h | Atualizado em 23/08/2021, 09:36

A ergonomia é uma ciência do conforto, ou seja, o resumo da ergonomia na atividade de trabalho é trazer conforto ao ambiente laboral de modo que o colaborador trabalhe de forma confortável, segura e que, automaticamente, gere maior e melhor produtividade no seu dia a dia.

O ambiente de trabalho deve ser limpo, organizado, com luminosidade, temperatura e ruído adequados, utilizando-se móveis e equipamentos de uso diário em perfeitas condições de uso, adaptados tanto para a característica do trabalho assim como para o trabalhador, além de instalações adequadas e confortáveis são indispensáveis no ambiente de trabalho para desempenharem as suas atividades laborais.

É fundamental ter estratégias para que não ocorram imprevistos e estresses com os seus colaboradores, pois um ambiente desagradável influencia a dinâmica do ambiente de trabalho, causando desequilíbrio e prejudicando a produtividade.

A saúde mental também faz parte dos aspectos ergonômicos, uma vez que um dos traços da ergonomia são os aspectos cognitivos e mentais no trabalho como forma positiva no ambiente.

Nessa toada, várias empreses já vêm realizando trabalhos como meditação para seus colaboradores, ioga e outras ações com intuito de possibilitar mais clareza de pensamento, estímulo da gentileza no trato com as outras pessoas no ambiente de trabalho, comunicação mais clara e menos agressiva, redução do grau de ansiedade e estresse, aumento na capacidade de foco, maior empatia, maior objetividade e maior produtividade.

A ergonomia é tão importante que temos até uma norma regulamentar que deve ser seguida. Trata-se da Norma Regulamentadora de número 17 (NR 17) que abrange as empresas privadas a partir de um funcionário. Muitas empresas não cumprem o requisito legal, ficando às vezes expostas a uma possível penalidade e/ou até multa pela ausência de cumprimento não só da NR 17 mas também de outras normas brasileiras e internacionais que mapeiam os requisitos ergonômicos dentro da empresa.

Hoje a fiscalização ainda atua mais sob demanda. Se, por exemplo, ocorrer um acidente ou até mesmo uma demanda de adoecimentos pela falta de ergonomia nas empresas a fiscalização pode realizar visita com intuito de verificar o porquê dessas possíveis doenças e solicitar documentos comprobatórios de ações em saúde e segurança do trabalho, desde o atestado de saúde ocupacional (ASO) até programas de Gerenciamento e Controle em Medicina e saúde Ocupacional (PCMSO), assim como planos de ergonomia para cada atividade.

As empresas têm que se adequar as normas a fim de promover maior qualidade de execução do trabalho. Contribuir para boa saúde de seus colaboradores, estimular a prática de atividades físicas e estudar modificações para melhorar as condições de trabalho devem ser atividades constantes da empresa.

Oferecer atendimento médico e fisioterapêutico de qualidade para os colaboradores ou atividades como ginástica laboral e momentos de descontração e relaxamento no próprio ambiente de trabalho, além de estimular a utilização correta de EPI’s fazem toda diferença para empreendedores visionários.

Danilo Urbano é administrador e especialista em mobiliário corporativo.

MATÉRIAS RELACIONADAS