Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tribuna Livre

Tribuna Livre

Colunista

Redação A Tribuna

As vantagens dos cursos técnicos no mercado atual

| 17/12/2019, 07:05 07:05 h | Atualizado em 17/12/2019, 07:16

Os cursos técnicos e profissionalizantes são ótimas credenciais para abrir portas no mercado de trabalho. Os jovens são formados em cursos cujo conteúdo é voltado para as principais demandas das empresas, o que facilita a inserção no mercado. Recente pesquisa divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) comprova essa realidade: candidatos com cursos técnicos possuem 48% mais chances de conseguir um emprego no Brasil. Com carteira assinada esse índice é de 38%.

Para a economia brasileira, o ensino técnico é uma excelente oportunidade para tentar resolver os problemas de mão de obra qualificada enfrentados pelo mercado.

Estudos demonstram que o País pode sofrer com um apagão de profissionais especializados em alguns setores, como engenharia e tecnologia da informação.

Essa grande demanda acontece, principalmente, pela força de nossas empresas, independente das previsões do crescimento econômico previsto para 2019 ou mesmo para os próximos anos.

A Fundação Dom Cabral, em pesquisa com 150 grandes empresas, mostra que 67% delas já encontram dificuldades na contratação de mão de obra qualificada. É por isso que o ensino técnico deve ser uma prioridade de investimento do poder público.

Mas a verdade é que o Brasil ainda engatinha nessa questão, apesar de termos visto um crescimento no número de Institutos Federais nos últimos anos, que oferecem formação de qualidade para cursos técnicos.

No entanto, apenas 15% dos alunos do ensino médio fazem cursos profissionalizantes, quando o ideal, segundo especialistas, seria um percentual de 30%.

Na Alemanha, como exemplo, país que lidera os índices de tecnologia na Europa, 70% dos alunos do ensino médio fazem cursos técnicos. Na América do Sul, a Argentina e o Chile também estão à nossa frente nesse quesito.

A inclusão dessa formação técnica nas escolas públicas de ensino médio, por exemplo, é uma maneira de aumentar a competitividade desses jovens no mercado de trabalho e fortalecer a economia, com mão de obra qualificada.

Concluir o ensino médio com um curso técnico no currículo é um primeiro passo na carreira profissional, que contribui para a renda das famílias e proporciona mais opções de escolha e esclarecimento para decisões da vida profissional.

Somado a essa formação, o estágio ganha nova dimensão, reforçando sua eficiência como modalidade de capacitação de futuros profissionais.

Nessa fase, os estudantes terão contato com a prática profissional e serão treinados para determinadas funções, o que só engrandece seu currículo e sua formação, como facilita seu ingresso no mercado de trabalho.

Ampliar a formação técnica aliada à prática do estágio é um modelo que pode contribuir para solucionar grande parte do desemprego da população jovem no Brasil e tornar nossa economia muito mais competitiva.

Jossyl Cesar Nader é superintendente Executivo do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/ES).

MATÉRIAS RELACIONADAS