Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Tribuna Livre

Colunista

Tribuna Livre

Alimentos são escolhas que terão grande impacto na saúde

| 21/08/2021, 15:02 15:02 h | Atualizado em 21/08/2021, 15:08

Aquele famoso ditado “você é o que come” sinaliza uma verdade que quase ninguém contesta, mas muitos arrumam uma infinidade de justificativas para não vivenciá-la na prática do dia a dia.

Não é nenhum segredo que aquilo que ingerimos tem e terá um grande impacto na forma como desfrutamos da nossa saúde física e mental. Mas antes de consumir qualquer alimento, é necessário que se decida quais deles levamos para as mesas de nossas casas, quais iremos consumir no nosso dia a dia, na pressa do cotidiano que tantas vezes encurta nosso sagrado momento da refeição e também aqueles que são um verdadeiro deleite para o nosso paladar.

Alimento é vida e precisamos dele todos os dias. Contudo, hábitos alimentares nocivos têm sido incorporados à rotina de muitas pessoas e talvez a maioria delas nem se dê conta de como isso pode resultar em consequências negativas a médio e longo prazo.

Um estudo realizado pelo Datafolha, encomendado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), revelou que brasileiros de 45 a 55 anos estão consumindo mais alimentos ultraprocessados durante a pandemia.

No mesmo período em que a saúde de todos está ameaçada por um vírus mortal e ainda misterioso, em que o sistema de saúde está colapsado e a frequência de consultas e exames para detecção precoce de doenças cai drasticamente, vemos um aumento de hábitos prejudiciais à saúde.

Infelizmente, muitos fatores influenciam nesse cenário. Por um lado, as políticas públicas adotadas para promover uma alimentação saudável foram tímidas; por outro, um grande apelo pela conveniência também pode ter ajudado a promover esse aumento no consumo de alimentos reconhecidamente prejudiciais ao organismo e, portanto, inadequados para serem adotados numa dieta diária. E, claro, sem esquecer do aumento nos preços dos alimentos básicos, principalmente os mais saudáveis, o que dificultou bastante o acesso a produtos benéficos à saúde.

Sem apontar culpados, tampouco enumerar erros, é preciso trazer à tona a urgência dessa reflexão quanto aos nossos hábitos rotineiros. Independente da condição social, é inegável que todos querem viver com saúde. E isso vai depender, quase sempre, mais de atitudes individuais do que qualquer outra medida. Portanto, não podemos ignorar a responsabilidade e o compromisso consigo mesmo de promover a própria saúde, mesmo em meio a adversidades.

Sim, é preciso lutar pela vida priorizando o que vamos consumir e tendo a iniciativa de romper com padrões que podem trazer sérios danos à nossa saúde e à de nossa família.

Portanto, é muito válido ficar mais atento à alimentação, uma vez que produtos não saudáveis são causadores de doenças graves, como diabetes, hipertensão, câncer, obesidade e ainda aumentam o risco de formas mais graves da covid-19. Todos podem dar um passo adiante rumo ao progresso e ao bem-estar. E nossas atitudes de hoje podem representar resultados muito positivos num futuro próximo.

Virgínia Altoé Sessa é oncologista
Virgínia Altoé Sessa é oncologista |  Foto: Divulgação

VIRGÍNIA ALTOÉ SESSA é médica oncologista.
 

MATÉRIAS RELACIONADAS