Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Sexo & Saúde

Sexo & Saúde

Colunista

Lorena Baldotto

Reposição hormonal, fazer ou não fazer?

| 15/08/2021, 14:58 14:58 h | Atualizado em 15/08/2021, 15:40

Beatriz, 51 anos, chegou ao meu consultório enlouquecida com os sintomas da menopausa. Já tinha passado em vários ginecologistas e só ouvia que é assim mesmo. “Mas eu não quero isso”, dizia ela na consulta. “E nem precisa ser traumática essa mudança”, respondi. Tratar e enfrentar essa mudança de fase na vida da mulher não é nenhum bicho de sete cabeças. Pode ser feito sem culpa, sem medo de ter câncer e sem terrorismo com as pacientes!

Estamos falando aqui de qualidade de vida e, nessa fase onde os filhos já estão criados, vocês não devem mais satisfação para ninguém. Então, por que não usufruir de mais qualidade de vida, física e sexualmente?

Entrar na menopausa pode trazer muitas dúvidas e desconfortos, além da queda da autoestima. E a gente resolve isso aqui no consultório com amor, carinho, terapia e tratamentos específicos.

Gosto de reposição hormonal, sim, feita com bioidênticos, com medicações naturais e também com orientação física e nutricional.

Dessa forma, a gente consegue melhorar os sintomas de fogachos – que são os calorões.

É possível também utilizar terapias locais como laser genital para vencer o ressecamento, a perda urinária e os sinais de baixa hormonal.

A ideia é cuidar da estética íntima, melhorar a qualidade do sono e usar suplementação e nutrientes antioxidantes na dieta.

É possível devolver a qualidade de vida e disposição dessa mulher que ainda tem muita vida pela frente.

Considerando o aumento da expectativa de vida que temos hoje, não podemos negligenciar de jeito nenhum a saúde e a qualidade de vida dessa mulher!
Não deixei Beatriz se sentir derrotada, hoje ela volta nas consultas de rotina falando “doutora, por que não te conheci antes”.

Com acompanhamento adequado e atividade física, podemos manter por muito mais tempo esses tratamentos ajustando as doses para cada etapa da vida e com individualização de cada caso.

Você já sentiu na pele o mesmo que a Beatriz? Se sim, me segue lá no insta @dra.lorenabaldotto_sexologa que vou te ajudar com isso!

MATÉRIAS RELACIONADAS