Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Sexo & Saúde

Sexo & Saúde

Colunista

Lorena Baldotto

Masturbação em excesso faz mal? O que você acha?

| 17/04/2022, 09:20 09:20 h | Atualizado em 17/04/2022, 09:22

É pessoal, olha aí outro tema polêmico para conversarmos aqui. Sempre falo e trago temas sobre a importância da masturbação para conhecermos o nosso corpo, aprendermos a nos tocar e saber identificar o que gostamos ou não e, até aí, tudo bem, aliás, ótimo! Só que como tudo nessa vida, deve haver um equilíbrio. E como saber qual é esse ponto na sua vida? 

Conhecer o próprio corpo, se tocar, se explorar, é saudável e ajuda você a conhecer o que te dá prazer e te ajuda alcançar e ter uma vida sexual mais satisfatória. 

Mas a partir do momento que isso se torna um excesso, fora do seu controle, que você começa a trocar atividades interessantes do seu dia a dia para ficar se masturbando, aí, meu amigo e minha amiga, você deve prestar atenção, porque pode estar começando a virar compulsão.

Isso não é  saudável e muitas vezes precisa de tratamento com psicoterapia. A terapia sexual é uma maneira de cuidar da saúde mental quando o foco é algum desequilíbrio sexual. 

E isso não quer dizer que essa prática cuide apenas de melhorar o seu prazer, mas ela te ajuda a entender o seu corpo e a ter educação sexual. 

No caso das pessoas que precisam se masturbar muito ou precisam recorrer a excesso de pornografia, problemas como ansiedade, fuga da realidade, problemas no relacionamento e emocionais podem estar relacionados. 

Pode ser necessária a utilização de  medicamentos para controle do quadro se a pessoa estiver apresentado muitas dificuldades de  controlar os impulsos.

Ah, doutora, mas isso pode causar tanto problema assim? Sim. Pessoas com compulsão por masturbação ou com vício em pornografia precisam se sentir constantemente excitadas e obtêm prazer se expondo a esses comportamentos. 

Não seria problema se esse prazer fosse tão necessário para essa pessoa que ela não consegue se concentrar, trabalhar, sair de casa, sem se masturbar, por exemplo.

Além do mais, esse tipo de comportamento afeta diretamente o relacionamento, pois o pessoa pode perder a libido pelo cônjuge, ou nunca se sentir saciado, e nos dois casos o problema se instala.

Então, se você está passando por alguma situação assim ou conhece alguém que esteja, não deixe de pedir ajuda. O tratamento muitas vezes envolve vários profissionais e na minha prática clínica gosto de associar terapia sexual com medicações para controle dos sintomas de ansiedade e hiperexcitaçao.

Gostaria de ter mais informações sobre o assunto? Agende uma consulta e me acompanhe no Instagram @dralorenabaldotto.

Você vai ter muita informação de qualidade e eu vou ter o maior prazer em te receber por lá.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

MATÉRIAS RELACIONADAS