Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista Nilda Miranda

Propaganda

Imagem do colunista Nilda Miranda

Nilda Miranda

Há 45 anos ninguém acreditava que a Fiat seria líder de mercado

26/11/2021 16:12:11 min. de leitura

Imagem ilustrativa da imagem Há 45 anos ninguém acreditava que a Fiat seria líder de mercado
Foto: Divulgação
 

As empresas fabricantes de veículos no Brasil que formam o grupo Stellantis classificaram, de janeiro a outubro, seis modelos entre os dez mais vendidos dos segmentos de automóveis e de comerciais leves do País graças aos modelos da Fiat.

A marca italiana foi líder em vendas em outubro e no acumulado do ano. Na categoria automóveis liderou o mercado com o Fiat Argo e ainda classificou o Jeep Renegade, na terceira posição; o Fiat Mobi, em quarto, e o Jeep Compass, em quinto lugar. No segmento de veículos comerciais leves, ocupou as duas primeiras posições com as pick-ups Strada e Toro.

No dia 9 de julho de 1976, quando Giovanni Agnelli, chefe-mor da Fiat Automóveis veio ao Brasil para anunciar a fábrica de Betim ninguém poderia imaginar que a empresa fosse capaz de atingir resultados como esses. O pequeno Fiat 147 representava pouco para a Volkswagen, que liderava o mercado, seguida pela General Motors e pela Ford.

Mas, devagar com criatividade, ousadia e uma equipe competente e solidária foi criando alternativas para o mercado. Em um momento em que a gasolina estava com preço elevado, mas nem tanto quanto atualmente, usou a ponte Rio-Niterói, logo após a sua inauguração, como referência para realçar a economia do Fiat 147, cumprindo o percurso de 14 quilômetros com menos de um litro de gasolina.

Alguns meses depois inventou outro programa para mostrar a potência do motor e a resistência do automóvel, escalando os 365 degraus da escadaria do morro para chegar à igreja de Nossa Senhora da Penha, no Rio de Janeiro.

Em maio de 1990, o presidente Fernando Collor de Mello comandou a abertura das importações de automóveis e pôs fim à proibição à restrição de mercado, com a justificativa de que os carros brasileiros eram verdadeiras carroças.

Além da abertura das importações, decidiu reduzir o IPI (Imposto de Produtos Industrializados), para automóveis com motor até 1.000 cm3 de capacidade cúbica o que incentivou a venda de veículos.

Com essa mudança instituída pelo governo brasileiro, a Fiat agiu rapidamente e usou um motor que exportava para a Itália para criar o Fiat Mille. Sorte da Fiat, que as outras empresas concorrentes não possuíam motor adequado para permitir um downsing, com exceção da Ford, cujo presidente não concordou com a redução da capacidade cúbica de seu propulsor.

Com a novidade do motor 1.0 a Fiat, que ocupava o quarto lugar, revolucionou o mercado brasileiro e foi decisivo para a Fiat. Com as vendas crescentes do Fiat Mille, ela alcançou a vice-líder e, com a modernização gradativa de sua linha de produtos assumiu a liderança do mercado. E deixou uma mensagem para as empresas concorrentes. Se quiserem ampliar as suas vendas, ousem e sejam criativas.

E por falar em criatividade, o primeiro teste do Fiat 147 publicado no Brasil foi da revista Auto Esporte por ousadia do jornalista Expedito Marazzi.

Convidado para a apresentação do modelo à imprensa, em um test-drive entre Ouro Preto e a fábrica em Betim, ele, em vez de seguir o roteiro programado para o evento, preferiu vir para São Paulo, "furtando" o carrinho por alguns dias porque soube que a revista Quatro Rodas havia recebido um Fiat 147 para teste completo e que, com um limitado test-drive na distância de pouco mais de 100 quilômetros não teria condições de realizar um bom trabalho.

Ao chegar a São Paulo, levou o automóvel ao Autódromo de Interlagos e conseguiu realizar o teste completo. Uma semana depois, Expedito devolveu o carro à Fiat que, em vez de se aborrecer, gostou da ousadia de Expedito que, além de jornalista era também engenheiro, proprietário de um curso de pilotagem e corria de automóvel e de motocicleta. Acesse o podcast.

SBT/TV Tribuna transmite final da Libertadores entre Palmeiras e Flamengo

Neste sábado, 27 de novembro, acontece a grande final da Copa Conmebol Libertadores, com o jogo entre Palmeiras e Flamengo. O SBT terá cobertura completa a partir de 15h30 e o pontapé inicial será às 17h. Os torcedores poderão acompanhar através da TV Tribuna ao vivo, clicando aqui.

MRV e Magalu fazem parceria inédita

A MRV, maior empresa de construção da América Latina, chamou a Lu, famosa influenciadora virtual do Magalu, para atuar durante a Black Friday como uma ‘Agente de Sonhos’, apresentando ao público um dos apartamentos da empresa.

A Lu anunciará a parceria e publicará conteúdos em suas redes sociais, convidando o público para conhecer os apartamentos da MRV. A influenciadora fará um tour virtual em um deles, mostrando os atributos do imóvel e as oportunidades de como mobiliá-lo com produtos do Magalu.

"Trata-se da maior campanha de Black Friday já feita pela MRV e essa parceria inédita com a Magalu com certeza vai potencializar as vendas, especialmente no ambiente digital onde temos focado bastante", destaca Aléxia Duffles, diretora de comunicação e marketing da MRV&CO.

A campanha foi criada e desenvolvida pela SunsetDDB. "Ter a Lu como influenciadora digital da MRV mostra o quanto estamos atentos a formas inusitadas e relevantes de comunicar. Além disso, a parceria MRV e Magalu foi ainda mais feliz, porque se estendeu para além do conteúdo, promovendo a integração de jornadas, plataformas e benefícios para as pessoas", explica Marcia Aguirre, VP de estratégia da agência.

Em complemento à sua estratégia para a Black Friday, a MRV vai realizar uma ação com 25 influenciadoras digitais, que também chamam Lu, de diferentes estados do território nacional, para reforçar a divulgação da campanha em âmbito regional e nacional. Elas farão conteúdos que serão exibidos nas mídias sociais, destacando diversas oportunidades e chamando para as ações. 

Imagem ilustrativa da imagem Há 45 anos ninguém acreditava que a Fiat seria líder de mercado
Foto: Divulgação