Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Papo de Família

Papo de Família

Colunista

Cláudio Miranda

Quanto tempo dura uma briga na sua casa?

| 02/10/2021, 07:23 07:23 h | Atualizado em 02/10/2021, 07:24

É comum que ocorram brigas e desentendimentos com as pessoas que você convive. Contudo, a frequência, a intensidade e o tempo que as pessoas ficam aborrecidas umas com as outras mostrarão se o ambiente da sua casa é mais leve ou pesado do ponto de vista da saúde psicológica.

Tornar tenso e estressante o ambiente de convívio por tempo demasiado afetará negativamente a psicosfera e a energia das pessoas dessa família. O modo como você lida com as crises familiares dirá se você é uma pessoa que diminui ou contribui para o aumento do estresse em casa.

O tempo que dura uma briga ou o mau humor entre as pessoas dirá muito sobre a forma que a sua família se relaciona. Há pessoas que têm a capacidade de superar e diminuir os problemas, outras causam transtornos e confusões o tempo todo. Pessoas com baixa autoestima e com uma imagem negativa da vida tenderão a criar regularmente problemas para si e ao ambiente, vivendo sempre numa energia de desesperança e infelicidade.

A frequência das brigas é um indicativo do quanto de desarmonia tem aquela família. Isso afetará a todos, principalmente as crianças e aos adolescentes que reproduzirão o sentimento de raiva e rancor. Os filhos dessas famílias poderão se mostrar pessoas inseguras e indecisas nas relações sociais e se tornarem pessoas infelizes e insatisfeitas.

Há pessoas que têm orgulho de ser brigão e não tolera “levar desaforo para casa”. Por causa disso, estão sempre envolvidos em alguma briga dentro e fora do lar. São indivíduos muito reativos com baixíssima capacidade de suportar qualquer situação de perda ou de frustração. Se envolvem muito fácil numa briga ou discussão.

Muitas vezes os motivos das brigas são banais e irrelevantes, contudo essas famílias parecem que se acostumam a se atacar e a se guerrear. Há situações em que os membros da família param de se falar, mas as brigas continuam no plano do não verbal. Mesmo assim, o ambiente continuará pesado, emocionalmente falando, e comprometendo a harmonia familiar.

Faça um exercício de introspecção:

Com quem você mais briga?

Quais são os motivos dessas brigas?

Em que essas brigas têm ajudado? 

Quanto tempo demora para sua raiva passar?

Como você ficaria se brigasse menos?

Essas respostas poderão te direcionar para o equilíbrio que deverá buscar. Avalie os motivos que te faz brigar com frequência com seu marido, esposa, filhos, pais e irmãos.

Talvez essa reflexão contribua para ter uma vida familiar mais saudável.

É preciso encontrar formas saudáveis de se comunicar e de resolver problemas, enfrentando todo estresse que seja desencadeado por uma situação de hostilidade. O perdão e a capacidade de se colocar no lugar do outro é um bom caminho para começar a superar as situações de crises domésticas.

Se isso persistir será bom procurar uma ajuda terapêutica para você ter uma vida melhor.

Se você gostou do artigo sugira outros temas no instagram @claudiomirandapsico.

Vou gostar de escrever sobre outros temas para você.

Bom fim de semana.

Cláudio Miranda é terapeuta individual e familiar, psicopedagogo clínico, pós-graduado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

MATÉRIAS RELACIONADAS