Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Papo de Família

Papo de Família

Colunista

Cláudio Miranda

As consequências das notas baixas do seu filho

Jornal A Tribuna | 16/04/2022, 13:50 13:50 h | Atualizado em 16/04/2022, 13:50

Após o início das aulas, vai aumentando a cada dia a cobrança escolar com a rotina, os deveres de casa, as pesquisas, os simulados e as provas. Nisso, muitos alunos começam a apresentar problemas em áreas específicas do conhecimento por não conseguirem dar conta de tantas tarefas. Essas dificuldades, quando não tratadas, podem se transformar em outros problemas. 

Se o seu filho passa por uma situação parecida, é preciso procurar uma ajuda para ele. Muitos pais e profissionais da educação tendem a minimizar o problema que o filho vive dizendo que é assim mesmo e que depois  passa. 

No entanto, ir mal na escola pode se configurar num sério problema que pode abalar intensamente a autoestima e a autoconfiança do jovem. Em casos mais graves, ele pode desenvolver a crença de que é incapaz de ser um bom aluno e de ter notas melhores. 

A dificuldade de aprendizagem do seu filho pode ser mais que só um problema escolar. Pode ser um indicativo de outros problemas de fundo cognitivo, emocional e comportamental. 

Timidez, rejeição, vergonha e medos também podem estar diretamente relacionados à depressão e ansiedade como sintomas. Um problema escolar afeta a criança e ao adolescente como um todo. 

A escola é um ambiente de grande exposição social e tudo pode ganhar uma conotação muito grande no grupo. Ter um baixo rendimento pode ser algo muito constrangedor para o adolescente e para os pais. Uma nota ruim pode fazer o adolescente se sentir  mal entre os amigos. Ele precisa acreditar no seu potencial.

Uma primeira providência será fazer uma avaliação psicopedagógica para investigar situações específicas que estão impedindo a aprendizagem desse aluno. 

Esse diagnóstico irá identificar os problemas de escrita, leitura, raciocínio, atenção e organização. Aspectos afetivos e emocionais também são investigados e verificados o quanto eles podem estar interferindo no sucesso escolar do seu filho. A maioria dos casos nessa situação mostra uma grande evolução quando monto uma estratégia terapêutica focada na melhoria da autoestima e do fortalecimento emocional.

Uma avaliação neurológica pode ser importante também para se avaliar a existência de um quadro de déficit de atenção, hiperatividade e outros problemas que possam estar impedindo o bom desempenho do seu filho.  

O encorajamento proporcionado pela terapia tira a criança da sombra do medo do fracasso e da insegurança. O resultado é uma maior alegria e autoconfiança seguida de melhor produtividade acadêmica. Para ir bem na escola o aluno precisa ter um mínimo de organização e disciplina de estudo. Sem isso, o sucesso escolar poderá ser mais difícil. 

O psicopedagogo deverá montar um plano terapêutico que irá aperfeiçoar a rotina de estudos e a organização do aluno. Também serão propostas tarefas que aumentarão o seu nível de atenção e de memória. Apesar do rendimento acadêmico ser o que mais preocupa os pais, uma atenção deve ser dada à forma como o jovem lida com suas frustrações. Essa medida diminuirá a manifestação de quadros de ansiedade, depressão e tristeza que possam estar interferindo na produtividade acadêmica.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

MATÉRIAS RELACIONADAS