Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Veio para ficar

| 10/12/2019, 08:48 08:48 h | Atualizado em 10/12/2019, 08:49

A avaliação positiva da ministra Damares Alves (Mulher) no Datafolha sinalizou a políticos que a agenda conservadora nos costumes segue forte e é hoje a principal conexão dos mais pobres a Jair Bolsonaro.

Há divergência, porém, na esquerda e no PT, sobre como reagir. Uma ala diz que é preciso religar-se aos evangélicos, desbancando o público da ministra. Outra aposta é que a única forma é mostrar que, ainda que a economia melhore, os frutos não chegarão ao andar de baixo.

Meu público
Damares é a única ministra de Bolsonaro, entre os sete citados na pesquisa, que recebeu melhor avaliação entre os mais pobres do que entre os mais ricos. A percepção de dirigentes políticos é a de que, além da religião, pesa a seu favor o discurso em defesa da família, ainda que numa visão estreita do termo.

Território
Em reuniões recentes do PT, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT-SP) avaliou que saiu derrotado na eleição presidencial de 2018 porque a direita conquistou as camadas de menor renda. O partido acreditava ter vantagem em razão dos programas de distribuição de renda.

Resistência
Uma das ideias aventadas é ouvir evangélicos e verificar quais os assuntos na área de costumes podem ser assimilados pelo PT. Líderes de centro-direita e aliados à esquerda veem a tentativa com ceticismo e classificam a estratégia como “batalha perdida”.

Divã
No atual contexto, cresceu entre integrantes da cúpula do PT o receio de que o discurso combativo de Lula seja prejudicial. Não agregaria setores de centro e pode isolar a legenda entre as siglas de esquerda. O debate será levado a Lula nas próximas semanas.

Baixo-astral
A ideia dos advogados de Bolsonaro de pedir ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que ceda urnas eletrônicas a cartórios eleitorais para que os apoiadores digitem o número da Aliança pelo Brasil, 38, como forma de fundar o partido foi mal recebida por ala da Corte.

Por cima dela
A avaliação é a de que a ministra Rosa Weber, presidente do TSE, não estaria disposta a ceder ao pleito.

Teu futuro
A expectativa de integrantes do TSE é a de que a senadora juíza Selma Arruda (Podemos-MT) tenha mandato cassado pela Corte, hoje. Havia quem apostasse em três votos favoráveis.

Com emoção
Aprovado na Câmara na última quarta, o pacote anticrime só deve desembarcar no Senado hoje, o que desagradou aliados do ministro Sergio Moro (Justiça).

Com emoção II
A demora atrapalhou as negociações de senadores que desejavam acelerar a tramitação do projeto – a ideia era colocar o texto em votação já hoje. Nova tentativa será feita para concluir a análise amanhã.

Lupa
O envio de homens da Força Nacional ao Maranhão, em razão do assassinato de indígenas guajajara, foi visto como uma tentativa do governo de evitar nova onda de críticas no exterior. Com a COP 25 na Espanha, os olhos novamente se voltaram ao Brasil e à política de Bolsonaro.

Vitrine
Em busca de marca social para a eleição do ano que vem, o prefeito Bruno Covas (PSDB) colocará à frente do Programa Mãe Paulistana seu ex-secretário de Esportes e Lazer, Carlos Bezerra Jr. (PSDB). O político é autor da lei que instituiu o programa de redução da mortalidade materna e infantil.

Réplica
Após ler no Painel crítica da deputada Tabata Amaral (PDT-SP) à ação da PM em Paraisópolis, o secretário Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional) saiu ao ataque. “É lamentável que trate de forma oportunista o ocorrido em Paraisópolis. A averiguação pormenorizada dos fatos e a punição exemplar dos culpados é uma determinação do governador”, diz.

Tiroteio

“O Congresso debate Fundo Partidário e a Presidência vive em confusão, enquanto o Brasil fica sem plano para melhorar o IDH”. Do deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), sobre o resultado educacional e o baixo crescimento terem afetado o Brasil no ranking global.

MATÉRIAS RELACIONADAS