Login

Imagem ilustrativa da capa de fundo do colunista

Painel da Folha de São Paulo

Imagem do colunista

Tribuna Online

Repensando

15/11/2021 08:20:47 min. de leitura

O apoio do PL a Rodrigo Garcia (PSDB) na disputa pelo Governo de São Paulo poderá ser revisto para viabilizar a entrada de Jair Bolsonaro. Valdemar Costa Neto disse por meio de sua assessoria que o acordo foi firmado pelos deputados da sigla e que ele tem de honrá-lo, mas que os próprios parlamentares já questionam a viabilidade eleitoral de Garcia. "Todo acordo entra no seu momento de discussão e este momento está chegando", afirmou o presidente do PL.

Imagem ilustrativa da imagem Repensando
Valdemar Costa Neto, presidente do PL Foto: José Cruz / Agência Brasil
 

Ponta firme

Conhecido por cumprir acordos, a integrantes de outros partidos com quem conversou, o presidente do PL indicou que aguardará o resultado das prévias tucanas, que ocorrerão no próximo dia 21 para resolver a situação paulista.

Tem mais

Além dos fatores regionais, como as alianças em São Paulo, Pernambuco e Piauí, a repercussão negativa nas redes sociais e entre apoiadores de Bolsonaro também pesou na postergação da filiação.

Ex-amigo

A leitura entre bolsonaristas é que a ida para o partido do centrão e chefiado pelo condenado no Mensalão do PT pode dar munição ao discurso de combate à corrupção de Sergio Moro, possível adversário em 2022.

Vem comigo

O ex-juiz encontrou-se com o presidente do DEM, ACM Neto, pouco depois do evento de sua filiação ao Podemos e discutiu o apoio do União Brasil, fusão do DEM e PSL, a sua possível candidatura ao Planalto.

A ver

O tema divide o novo partido. A cúpula do PSL tem evitado encontros com Moro para não indicar apoio antes da hora e há quem defenda apoiá-lo só em caso de filiação ao União Brasil. Já caciques do DEM avaliam que o ideal é não ter o ex-juiz no partido para não contaminar palanques estaduais.

Debate

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que o partido pretende travar com Moro um debate no campo econômico. Para os petistas, a mudança na política de preços da Petrobras que resultou no aumento do gás de cozinha e dos combustíveis é culpa do ex-juiz.

Culpa dele

"Ele fragilizou a Petrobras e entregou as informações da empresa aos norte-americanos. Mudaram com essa ação dele a política de preço e desestruturam o marco regulatório do pré-sal", disse a petista ao Painel.

Decida

Causou irritação no PSDB o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) ter se credenciado para votar nas prévias para escolher o nome do candidato tucano à Presidência em 2022 enquanto mantém negociações sobre seu futuro com outros partidos.

Sai ou não?

Alckmin baixou no sábado (13) o aplicativo desenvolvido para que os filiados possam votar. O credenciamento foi classificado por tucanos como uma incoerência do ex-governador, uma vez que em breve ele deve deixar a sigla e, portanto, na visão deles, não deveria participar da discussão que vai impactar o futuro do partido.

Culpados

O PDT culpou o "sectarismo de parte da esquerda" pela não realização dos atos contra Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (15). Antonio Neto, presidente do diretório paulistano, afirma que os ataques a lideranças nas últimas manifestações prejudicaram a construção de uma frente ampla.

Mão é...

Dados da Polícia Federal contradizem Jair Bolsonaro que, em depoimento no inquérito sobre interferência no órgão, disse ter pedido ao então ministro Sergio Moro para trocar o comando da superintendência em Pernambuco por causa da baixa produtividade.

...Bem assim

Bolsonaro pretendia tirar Carla Patrícia Barros da Cunha, que assumiu o cargo em dezembro de 2019 e ficou até junho de 2021. Em 2020, as operações contra desvio de dinheiro público no estado aumentaram 91% em relação a 2019, e 283% se comparado com 2018.

Sem dó

Ainda na gestão da delegada, a PF pernambucana deflagrou uma operação contra desvios na Prefeitura de Petrolina, comandada por Miguel Coelho (DEM), filho de Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, e investigou o próprio senador em um caso derivado da operação Lava Jato.

Tiroteio

“Bolsonaro não é leal nem aos seus mais leais aliados e não será ao PL. A atitude é um desrespeito com o PL e com Valdemar”

De Marcelo Ramos (PL-AM), deputado, sobre Jair Bolsonaro anunciar postergação da data de filiação ao partido de Valdemar Costa Neto