Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Folha de São Paulo

Pressão

| 21/03/2021, 07:49 07:49 h | Atualizado em 21/03/2021, 07:52

O número de denúncias de assédio moral em órgãos públicos ligados ao governo federal no Ministério Público do Trabalho do DF aumentou 80% em 2020. Foram 54 no ano passado, contra 30 em 2019. Os casos nos Correios explodiram, com 20 ocorrências notificadas, sendo sete delas relacionadas à pandemia –em 2019, foram quatro acusações. A Caixa Econômica Federal, a segunda do ranking, tem cinco denúncias, quatro delas relacionadas à crise do coronavírus.

Volta

Na Caixa, dois registros foram por pressão para o retorno ao trabalho presencial.

Nacional

Responsável por coordenar a área que atua no combate às irregularidades trabalhistas na administração pública, a procuradora do trabalho Ilena Neiva afirma que houve um aumento em todo o Brasil de denúncias por assédio no setor público por causa da pandemia.

Virtual

“Nós temos identificado aumento crescente das denúncias em relação ao home office e retorno dos grupos de risco, pressão das chefias para que essas pessoas retornem”, afirmou ao Painel.

Outro lado

A Caixa diz que desde o início da pandemia estimula o home office para cargos que admitem o trabalho remoto e manteve funcionários de grupos de risco em casa. Os Correios afirmam que o aumento de casos se deve à iniciativa da estatal de divulgar a existência de regras para efetuar as denúncias.

Nem tanto

Menos da metade dos que aprovam Bolsonaro (39%) avalia que ele está tendo o melhor desempenho entre os chefes de poderes executivos na pandemia, mostra o Datafolha realizado na última semana.

Rivais

De acordo com a pesquisa, prefeitos são apontados por 27% deste grupo, e 18% indicam os governadores como destaques no combate ao coronavírus.

Pesquisa

O Ministério da Justiça consultou secretarias e órgãos vinculados sobre projetos no sentido de “tipificar como terrorismo as invasões de propriedades rurais e urbanas no território brasileiro”.

Update

A pasta enviou uma planilha de temas e pediu que os destinatários com projetos relacionados a preenchessem. O ministério descarta mudanças sobre o tema e diz que pretendia mapear propostas sobre pautas constantes no plano de governo da atual gestão.

Encaminhada...

Os ruídos de uma quase (nova) crise entre Poderes na última sexta-feira tiveram Rodrigo Maia (DEM-RJ) atuando nos bastidores. O ex-presidente da Câmara encaminhou uma notícia ao presidente do Supremo, Luiz Fux, que falava sobre suposta vontade de Bolsonaro de decretar estado de sítio.

... Com frequência

Fux também recebeu o mesmo link da reportagem por parte de colegas da Corte e resolveu telefonar para o presidente da República, que negou ter dito algo nesse sentido.

Entrelinhas

As declarações literais de Bolsonaro foram críticas a governadores que adotaram toque de recolher para conter o avanço do coronavírus. Ele fala em tomar medidas duras para impedir ações desse tipo, sem especificar a que se referia. Maia e ministros argumentaram a Fux que as falas do Presidente eram de conflito.

Mostre

O PDT entrou com uma ação no Supremo contra o governo federal por causa do risco de falta de insumos no combate à pandemia, especialmente medicamentos e oxigênio. O partido pede providências imediatas e que Bolsonaro apresente um plano detalhado para impedir que o desabastecimento ocorra.

F5

A legenda quer também que o STF determine que o governo atualize suas ações a cada 48 horas.

Climão

O deputado Delegado Pablo (PSL-AM) está na mira de seus colegas da Associação de Delegados de Polícia Federal por ter votado contra os interesses da categoria na PEC Emergencial. Em assembleia, servidores questionaram a diretoria do sindicato sobre a possibilidade de expulsão do parlamentar.

Fogo cruzado

Ele já foi alvo de busca e apreensão da própria corporação, em maio de 2020, investigado pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção e falsidade ideológica.

Tiroteio

“Depois que Lula entrou em cena, Bolsonaro levanta a bola de Ciro, processando-o. Tem tática política”.

De Rogério Arantes, cientista político, sobre o inquérito aberto pela PF para investigar Ciro Gomes (PDT-CE) após pedido do Presidente.

MATÉRIAS RELACIONADAS