Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Painel

Painel

Colunista

Pane no sistema

| 14/10/2020, 10:01 10:01 h | Atualizado em 14/10/2020, 10:03

A Procuradoria-Geral da República soube pela imprensa que André de Oliveira Macedo era André do Rap, um dos principais líderes do PCC. O caso chegou à PGR na terça (6), mas o órgão se manifestou apenas no sábado (10), um dia depois da ordem de soltura. Nesse ínterim, mais dois obstáculos: Augusto Aras estava em viagem particular e uma pane eletrônica fez o pedido de reconsideração da prisão demorar ainda mais para chegar ao ministro Luiz Fux.

Alô
Na manhã de sábado, Humberto Jacques, vice-procurador, responsável pelo plantão da PGR, avisou o presidente do Supremo que entraria o quanto antes com a medida. Aras ligou a Jacques para pedir urgência.

Configuração
Uma pane no sistema, porém, fez com que a petição demorasse horas para entrar no site da corte. Pelas regras do STF, manifestações envolvendo habeas corpus só podem ser feitas de forma eletrônica e não em papel, o que poderia ter facilitado o trâmite, já que estava pronto.

Liberdade
André do Rap foi solto por volta das 11h50 da manhã do sábado, segundo dados da Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo. A PGR não foi ouvida antes da decisão de Marco Aurélio. O ministro justifica dizendo que esperar um posicionamento do órgão tiraria o caráter de urgência que tinha o pedido da defesa.

Procura-se
O Ministério da Justiça incluiu o chefe do PCC em sua lista de procurados. Ontem, ele também entrou na lista da Interpol.

Reincidente
O uso de produto químico retardante de fogo para combater queimadas, como na Chapada dos Veadeiros, já foi adotado antes.
Em agosto, o Ministério do Meio Ambiente anunciou a utilização da substância contra queimadas em área da Amazônia Legal. A comunidade da Chapada se revoltou contra o uso do material químico.

Outra vez
Bombeiros relatam que o incêndio na Serra do Cipó, em Minas Gerais, também usou retardante contra as chamas.

Balança
Procurado, o ministério não se manifestou. O Ibama afirmou que o combate químico é muito usado em outros países, como EUA e Canadá, e que frente a potenciais perdas “prescindir do uso de produtos pouco tóxicos seria ignorar a preponderância dos ganhos versus os riscos”.

Tamo junto
Filho do banqueiro libanês-brasileiro Joseph Safra, o executivo David J. Safra doou R$ 75 mil para a campanha de reeleição do tucano Bruno Covas (PSDB) à Prefeitura de São Paulo.
Na semana passada, outro nome do mercado financeiro, José Roberto Lamacchia, dono da Crefisa, doou R$ 200 mil para a campanha de Covas.

Gasolina
Entre as poucas doações que fez até o momento, João Amoêdo, fundador do Novo, agraciou Marcelo Castro, candidato a vereador de SP pelo partido, com R$ 3.000. O gesto soou como provocação a Filipe Sabará, com quem vive atrito.

Infiltrado
A campanha do candidato à Prefeitura de SP vê Castro como um espião enviado pelo concorrente Arthur do Val (Patriota), de quem Castro foi chefe de gabinete.
Sabará teve sua candidatura suspensa pelo Novo após denúncia de supostas inconsistências em seu currículo. Ele diz estar sendo perseguido por Amoêdo.

Normal
Castro diz ao Painel que Amoêdo “doa para campanhas que ele acredita, como qualquer cidadão.”

Varre…
Celso Russomanno (Republicanos) incluiu em seu plano eleitoral a criação de um programa para que moradores de rua sejam colocados para trabalhar na zeladoria da cidade, que envolve atividades como varrição e conservação de jardins.

...vassourinha
Como suporte psicológico, Russomanno diz que as “igrejas ou religiões” deverão ser “seguimentos essenciais no trabalho motivacional e emocional no resgate a cidadania (sic)”.

Viés
Ele também diz ser importante a presença das comunidades terapêuticas, muito ligadas a movimentos evangélicos e católicos, no tratamento dos dependentes.
Seu partido, o Republicanos, sofre forte influência da Igreja Universal do Reino de Deus.

Tiroteio
“O eleitor saberá diferenciar quem está falando a verdade em meio a propostas inexequíveis e candidaturas pirotécnicas”
Do deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) sobre o início da campanha eleitoral municipal no rádio e na TV.

MATÉRIAS RELACIONADAS